• Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Edson Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Enzo Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Enzo Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Enzo Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Enzo Celulari ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Raíssa Oliveira ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Cláudia Raia ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Cláudia Raia ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Cláudia Raia ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Cláudia Raia ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Cláudia Raia ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Cláudia Raia ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Pabllo Vittar ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Jojo Todynho ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Jojo Todynho ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Jojo Todynho ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Jojo Todynho ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Jojo Todynho ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Isabella Santoni ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Isabella Santoni ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Isabella Santoni ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Isabella Santoni ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Isabella Santoni ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Isabella Santoni ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

  • Beija-Flor ©

    Última Escola de Samba a se apresentar pelo Grupo Especial do Rio de Janeiro, já no dia 13 de janeiro, a Beija-Flor criticou a corrupção e a intolerância com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”

Com enredo de protesto, Beija-Flor fatura título no RJ

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE