• © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram

Anitta sobre veto de photoshop em clipe: “Decisão foi minha”

Anitta mostrou mesmo ser gente como a gente no clipe “Vai Malandra” – lançado na última segunda-feira (18) – ao dispensar os recursos tecnológicos, o famoso photoshop, e mostrar suas celulites. Segura de si, a cantora contou que tomou a decisão para enaltecer o corpo da mulher brasileira.

VOCÊ VIU? “Cheguei ao limite”, diz MC Livinho após agredir fã em show

Grávida, Patrícia Abravanel grava especial com Silvio Santos

Gloria Perez lembra 25 anos da morte de Daniella com missa

Geraldo Luis engata namoro com bailarina do “Domingo Show”

“Sim, foi uma decisão minha não fazer o retoque. A mulher real tem celulite, a maioria tem. A estética de ‘Vai Malandra’ é muito verdadeira, mostra uma favela real e com pessoas da comunidade. Fico feliz em saber do impacto positivo que a minha celulite teve nas mulheres. Nós devemos nos unir e parar de julgar os corpos e as escolhas umas das outras”, disse ao jornal “O Globo”.

Muito feliz com o novo trabalho, a artista destacou que voltou às suas origens. “Quando decidi encerrar o ‘CheckMate’ com ‘Vai Malandra’, eu quis voltar às minhas origens e mostrar a realidade das favelas cariocas. O funk é um ritmo que veio da periferia. É um gênero tão rico, tão brasileiro, e cheio de cultura, mas ao mesmo tempo não tem o reconhecimento que merece.”

E continuou: “A ‘malandra’ do clipe não é objetificada, ela é a dona da história. E ela não é representada somente por mim, mas por todas as mulheres que participaram do clipe, na cena da laje ou na do baile. O clipe mostra diversos tipos de beleza, com diversas cores, pesos e gêneros. E toda essa beleza também é real, assim como a minha celulite”.

Anitta ainda opinou que a música retrata o Brasil. “O clipe expôs a realidade do funk e das favelas cariocas. Mostramos o bronze na laje, os bailes, o mototáxi, e a alegria que existe nas comunidades. Se você subir o morro, vai ver tudo isso que mostramos. Nada foi inventado”, garantiu.




Notícias Relacionadas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE