• © Instagram
  • © AgNews
  • © Divulgação
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Francisco Silva/AgNews
  • © TV Globo
  • © Facebook
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © AgNews
  • © Karine Basílio/Revista Estilo/Divulgação
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Instagram
  • © Karine Basílio/Revista Estilo/Divulgação
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Divulgação/TV Globo
  • © AgNews
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo

Mais de 100 perfis serão verificados por ataques a Preta Gil

A Delegacia de Repressão a Crimes de Internet (DRCI) do Rio de Janeiro deve começar em breve a investigar os suspeitos de terem participado do ataque de ódio sofrido por Preta Gil, denunciado às autoridades na última terça-feira (26).

VOCÊ VIU? Flora Gil sobre ataques racistas a Preta Gil: “Covardes”

Segundo a coluna da jornalista Keila Jimenez, a cantora imprimiu parte das mensagens e as autoridades deverão pedir a quebra de sigilo de mais de 100 perfis no Facebook, na tentativa de identificar os envolvidos no crime.

Vale lembrar que a pena por injúria e preconceito pode variar de um a três anos de reclusão.

Entre xingamentos e comentários racistas, internautas anônimos chamaram a filha de Gilberto Gil de “macaca” e disseram que ela tinha que “voltar para senzala”, fazendo referência ao período de escravidão no Brasil.




Notícias Relacionadas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE