• © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Raphael Castello/AgNews
  • © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Facebook
  • © Record
  • © Instagram
  • © Facebook
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Record
  • © Record
  • © Record
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © TV Globo
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram

Após denúncia contra cunhado, Hickmann publica indignação

Ana Hickmann usou seu perfil no Instagram, nesta sexta-feira (8), para publicar uma imagem com a palavra ‘indignação’ seguida de seu significado de acordo com o dicionário.

VOCÊ VIU? Promotor irá denunciar cunhado de Ana Hickmann por homicídio

O marido de Ana, Alexandre Correa, fez o mesmo post, assim como a cunhada da apresentadora, Giovana Oliveira.

As mensagens foram feitas um dia após o Ministério Público de Minas Gerais entregar à Justiça denúncia contra Gustavo Henrique Correa, cunhado da loira, por homicídio, a respeito do caso do atentado contra a artista, ocorrido em 21 de maio, que acabou na morte do responsável pelo ataque, Rodrigo de Pádua.

Entenda o caso

Hickmann estava em seu quarto, no nono andar do hotel Caesar Business, em Belo Horizonte, capital mineira, por volta de 14h, quando seu cunhado foi abordado por Rodrigo, que estava armado e o obrigou a levá-lo até os aposentos da apresentadora.

Na ocasião, o rapaz ofendeu Ana verbalmente e atirou em sua direção. O disparo acabou atingindo a esposa de Gustavo. O empresário, então, iniciou uma luta corporal com o bandido e conseguiu desarmá-lo. Contudo, no momento da briga, a arma que estava na mão de Rodrigo disparou contra ele, que morreu no mesmo momento.

Na época do atentado, o delegado Flávio Grossi, do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa da Polícia Civil (DIHPP), contou que dentro de 30 dias iria apresentar os autos ao promotor, mas que acreditava que o caso seria encerrado.

“Vai caber ao promotor, mas acredito que como tudo indica que vai ser reconhecida a legítima defesa, é muito provável que o processo não prossiga. A tendência é de arquivamento”, disse ao “Ego”.




Notícias Relacionadas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE