• © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Record
  • © Instagram
  • © Record
  • © Instagram
  • © Facebook
  • © AgNews
  • © Facebook
  • © Record
  • © Instagram
  • © Record
  • © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © TV Globo
  • © Record
  • © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram

Mãe acredita que Rodrigo de Pádua tinha relacionamento com Ana Hickmann

Wanda Simões de Pádua, mãe de Rodrigo Augusto de Pádua, acredita que as investigações comprovarão que seu filho não tinha intenção de atirar em Ana Hickmann, no atentado ocorrido no último sábado (21), no quarto de um hotel em Belo Horizonte, Minas Gerais.

VOCÊ VIU? Após atentado, Ana Hickmann faz postagem na web: “Deus nos salvou”

A genitora do rapaz afirmou que o indivíduo não tomaria a decisão de ‘perseguir’ a famosa se os dois não tivessem um relacionamento.

“Vai ser tudo esclarecido, as contradições [nos depoimentos] da Ana… Tenho pena dela por ter acontecido isso tudo, mas tem muito mistério ainda para ser descoberto. Ele não ia enfrentar isso senão tivesse alguma coisa. Existia algo entre ela e ele”, disparou ao “Ego”.

A senhora alegou ainda que Gustavo Corrêa, cunhado da apresentadora que imobilizou e acabou baleando o rapaz, poderia ter resolvido o episódio sem tirar a vida de seu herdeiro.

“Tem muita gente metendo o pau porque não sabe, não conhece. Rodrigo era a pessoa mais honesta e pura que existiu. Ele foi assassinado, mataram ele, ele ficou indefeso. Ele [Gustavo] estava mesmo com a intenção de matá-lo […] Ele [Rodrigo] estava todo machucado no rosto: os olhos, a testa, o queixo, a boca. Até mordida no braço ele levou.”

Wanda alegou também que o filho não foi o responsável pelo disparo que atingiu a cunhada de Ana, Giovana Oliveira: “Ele [Rodrigo] queria pressionar com a arma que levou, mas esse tiro que foi dado e acertou a moça não foi da mão dele, foi do próprio marido dela, porque ele já estava imobilizado”.

Apesar de acreditar que Rodrigo não tinha intenção de matar, a veterana reconhece que ele levou a arma ao local do crime. “Que a arma era dele eu acredito. Mas ele não tinha intenção de matar, ele nunca mexeu com arma e até do exército foi dispensado porque queria estudar. Rodrigo nunca pegou numa arma”, garantiu.

Notícias Relacionadas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE