© Instagram

“Não sou escravo de visualizações”, diz William Waack sobre YouTube

Agora na carreira de youtuber, William Waack garantiu que não faz questão de ter milhões de seguidores e números gigantes na plataforma digital. O jornalista afirmou que, ao invés de se preocupar com isso, foca suas energias em satisfazer seu público.

VOCÊ VIU? Após assumir namoro, Gimenez posa com ex da atual de Marcelo de Carvalho

Após flerte no “Teleton”, Henri Castelli passa a seguir Rebeca Abravanel

“Não era para eu estar viva”, diz Joelma sobre agressões de Ximbinha

Evandro Santo se arrisca e sofre acidente em “A Fazenda 10” 

“Eu não me vejo um escravo do número de inscritos ou do número de visualizações. Me vejo como um escravo da consciência profissional voltada para a prestação de um serviço de qualidade e de interesse de um público amplo”, declarou a Marcelo Bonfá no YouTube.

A forma independente de trabalhar deixou o apresentador mais livre para realizar seus desejos profissionais: “Me senti muito mais à vontade porque eu pude por em prática fórmulas que eu já queria ter levado adiante antes”.

Para quem não sabe, William Waack comanda o canal “Painel WW”, no YouTube, desde que foi demitido da TV Globo. Na ocasião de sua saída, o veterano foi acusado de racismo após fazer comentários polêmicos nos bastidores de um programa da emissora.

  • © TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © Divulgação

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © Divulgação

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © Twitter

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas

  • © Divulgação/TV Globo

    William Waack entrou na TV Globo em 1996. Em seus últimos anos de casa, o âncora comandava o “Jornal da Globo”. Sua demissão se deu, no fim de 2017, após vazar um vídeo em que o jornalista fazia comentários racistas




Notícias Relacionadas

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE