Marcus Menna volta aos palcos em novo projeto musical

Cantor retomou rotina 13 anos após sofrer parada cardiorrespiratória

Por ,

Marcus Menna
Fonte: Instagram

Marcus Menna contou que ainda tem dificuldade em decorar as letras das canções

Marcus Menna está de volta aos palcos! O ex-vocalista da banda LS Jack retomou a sua rotina de shows 13 anos após sofrer uma parada cardiorrespiratória, decorrente de uma lipoaspiração. Animado, o cantor contou sobre seu novo projeto: "Marcus Menna e Os Cinco Sentidos".

VOCÊ VIU? DJ de Valesca Popozuda morre após sofrer acidente de moto

Latino vence processo milionário contra a RedeTV!

Em "Novo Mundo", Domitila armará emboscada para o ex-marido

Zeca Pagodinho recebe alta após acidente no Rio de Janeiro

"Essa brincadeira com o nome da banda mostra que este é o momento que eu me reconecto com o universo do palco, cantando as minhas canções através desses cinco músicos [Kauan Calazans, Sérgio Sessim, Júnior Macedo, Rafael Lima e Paulo Victor] que passam a fazer parte de mim e me dão a possibilidade de me expressar de novo", explicou ao "GShow".

O músico revelou que um dos maiores desafios foi conseguir decorar as letras das canções. "Foi uma luta. Quando a parte cognitiva é afetada, você pode lembrar hoje e amanhã não. Não depende só de treino, e sim da reconstrução neurológica. Tudo está na minha cabeça, mas precisa ser estimulado. Eu não preciso estudar para relembrar, preciso reconstruir o caminho."

E continuou: "Quem assiste aos meus shows vê a evolução acontecendo. Vou ligando melhor as minhas funções cognitivas a cada apresentação. Fico impressionado com o poder de recuperação do nosso cérebro. Estou me reencontrando".

Marcus ainda disse que, após o incidente, muita gente não acreditou que um dia ele poderia retomar sua carreira. "Eu fiquei sem minha memória, principalmente a recente. Como não lembrava do ontem, todos os dias eram, literalmente, um recomeço."

Com a memória recente recuperada há apenas quatro meses, o artista relembrou alguns momentos difíceis que passou nesses 13 anos: "Era pensar e não conseguir agir. Me sentir preso ao meu corpo, às minhas limitações motoras, aos meus pensamentos que não conseguiam chegar a nenhum ponto por causa da lesão cerebral".

Notícias relacionadas