Tiago Leifert interrompe noite de eliminação para dar aula de racismo a Rodolffo


© TV Globo


Tiago Leifert quebrou todos os protocolos do “Big Brother Brasil”, da TV Globo, nesta terça-feira (6). O apresentador interrompeu a noite de eliminação para dar uma verdadeira aula sobre racismo a Rodolffo – acusado por João de ter tido uma demonstração preconceituosa contra ele, ao comparar seu cabelo a uma peruca de homem das cavernas.

LEIA TAMBÉM: Marina Ruy Barbosa tenta afastar novo namorado da política

Tom Veiga, o Louro José, tentou tirar ex do testamento 3 dias antes de morrer

Pai sai em defesa de Rodolffo e mostra cabelo afro para descartar racismo do filho

Acusado de enganar Jojo Todynho, jogador abre B.O contra suposta ex

“Não é um penteado. É mais que um penteado. É uma luta”, afirmou o jornalista ao sertanejo.

E destacou, trazendo um contexto histórico para o debate: “Até pouquíssimo tempo atrás, uma pessoa como a Cami e o João, lá nos Estados Unidos, tinha que levantar para um branco sentar”.

Leifert ainda continuou: “Historicamente, o cabelo do João era associado a uma coisa suja, uma coisa feia. […] Não existia produtos para a pele da Camila, para o cabelo, até pouquíssimo tempo atrás”.

Tiago também explicou que não se tratava apenas de criticar o cabelo de alguém. “Você está falando de um símbolo, do que o João é, do que o João sente.”

Até Babu Santana, participante da edição passada do reality show, foi citado no debate. “O black é a coroa.Isso não sou eu que estou falando. Quem me ensinou isso foi Alexandre da Silva Santana, que vocês conhecem como Babu. […] Ele nos deu uma aula no ano passado sobre o que é o black power.”

Acerca da justificativa de Rodolffo, de que não tinha tido intenção de magoar João, Tiago Leifert avaliou: “Isso não muda a dor do João. A dor do João é legítima. […] Eu não vejo maldade no que você disse, mas não deslegitimo a dor do João”.

E foi assertivo: “O sem querer e o de propósito doem do mesmo jeito. É por isso que nós, brancos, precisamos nos informar. ‘Bora’ estudar, nos informar. Eles não querem mais ensinar, eles estão de saco cheio. É nossa obrigação não cometer mais esse tipo de erro. Mesmo que seja sem querer”.

Por fim, o jornalista afirmou que provavelmente seria massacrado nas redes sociais devido ao seu posicionamento, mas deixou claro que sentiu a necessidade de conversar acerca do tema com Rodolffo.



Close sidebar