Análise: Vila Maria e Gaviões se destacam em noite de desfiles mornos no Anhembi


  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © AgNews
  • © Márcio Cassol/Famosidades
  • © AgNews
  • © Barbara Alejandra/Famosidades
  • © Márcio Cassol/Famosidades
  • © AgNews
  • © AgNews
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Barbara Alejandra/Famosidades
  • © AgNews
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © AgNews
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Marcos Ribas e Cláudio Augusto/Brazil News
  • © Leo Franco / AgNews
  • © AgNews
  • © AgNews


A primeira noite de desfiles no Anhembi terminou sem que o torcedor pudesse apontar uma escola como provável campeã do carnaval paulista de 2016. Foi, no geral, uma noite de apresentações frias, que terminou por volta das 8h com a Acadêmicos do Tatuapé. O destaque ficou por conta do luxo da Vila Maria e pela grandiosidade da Gaviões da Fiel.





As duas foram as que melhores se apresentaram na avenida. A Vila Maria, reforçada de Alexandre Louzada, fez uma exibição com a marca do seu carnavalesco. Muito luxo e alegorias enormes e bem acabadas para falar sobre Ilhabela, no litoral de São Paulo. A escola, assim, se redime do desfile ruim de 2015, quando amargou a décima posição.

A Gaviões, com sua apaixonada torcida como aliada, encerrou seu desfile quase às 7h falando sobre a origem da vida. Teve menos luxo, mas foi um desfile forte, de cores vibrantes e carros igualmente grandiosos. É outra que causa boa impressão após um 2015 ruim, quando ficou em nono.

Claudia Raia rouba cena, dupla decepciona e Pérola falha

Quem não teve o mesmo acabamento das duas, mas ao menos mexeu um pouco com a plateia, foi a Nenê de Vila Matilde. A tradicional agremiação, que apresentou alegorias e fantasias modestas, falou sobre a carreira de Claudia Raia, que fechou o desfile no último carro e foi muito saudada. A agremiação chegou a emocionar em alguns momentos.

Ao contrário, por exemplo, da Rosas de Ouro e Águia de Ouro, que desfilaram de forma protocolar, com mais baixos do que altos. Dificilmente brigarão pelas primeiras posições. No geral, a dupla pecou em fantasias e alegorias.

Esses foram os quesitos que a Acadêmicos do Tatuapé também falhou. Porém, a escola, que homenageou a Beija-Flor de Nilópolis, teve a favor o ótimo samba-enredo, um dos melhores de 2016 e que contribuiu para um bom desfile, também sem luxo, da agremiação.

Quem brigará para não cair será a Pérola Negra, que retornou à elite e abriu a noite com atraso por conta de apagões em alguns refletores. Apesar do gostoso samba-enredo para falar sobre a Vila Madalena, a escola careceu de mais capricho com os acabamentos e os detalhes.

LEIA TAMBÉM:

Pérola Negra abre Carnaval no Anhembi com desfile de altos e baixos

Com Dani Bolina e muito luxo, Vila Maria faz desfile para sonhar alto

Águia de Ouro não empolga o Anhembi ao falar sobre “Maria”

Ellen Roche rouba a cena em desfile morno da Rosas de Ouro

Sem fugir da Raia: Nenê emociona com homenagem a Claudia Raia

Com festival de musas, Gaviões faz desfile grandioso no Anhembi

Tatuapé voa com a Beija-Flor e encerra com dia claro os desfiles no Anhembi