Com Vivi Araújo e Aline Riscado, veja as rainhas desta noite


  • Raphaela Gomes © Instagram

    Nesta segunda-feira (24), a Marquês de Sapucaí receberá mais seis escolas de samba que compõem o Grupo Especial do Rio de Janeiro. Além das alas, alegorias e comissão de frente, todos os olhos na passarela do samba estarão voltados para uma posição em especial: as rainhas de bateria e seus ritmistas.

    VOCÊ VIU? Anitta se veste de sapo no Carnaval da Cidade, em SP

    Carvalheira em Olinda tem show de axé, funk e sertanejo

    No Baile do Copa, Renata Spallicci usa look de protesto

    Filho de Arlindo Cruz fala da emoção em ver o pai na avenida

    Primeira a desfilar nesta noite, Raphaela Gomes segue como rainha de bateria da São Clemente há cinco anos. Ela estreou no cargo com 15 anos, quando ocupou o lugar deixado pela prima, Bruna Almeida. Quem está de volta ao Carnaval do Rio é Aline Riscado, que ocupou o espaço deixado por Sabrina Sato na Vila Isabel, depois de nove anos.

    Umas das rainhas mais esperadas continua sendo Viviane Araújo, afinal, ela já está há 25 anos no carnaval. Só no Salgueiro, a atriz reina à frente da bateria pelo 12º ano seguido. Depois de desfilar em 2019 como musa da Mocidade e rainha de bateria na Unidos de Bangu, na Série A, a cantora Lexa assume o posto de rainha da Unidos da Tijuca.

    Giovana Angélica estreia no cargo de rainha de bateria da Mocidade, deixado por Camila Silva. Raissa Oliveira estreou no cargo de rainha de bateria com somente 12 anos, em 2003, e nunca mais parou. Em 2020, Raissa volta à Sapucaí na Beija-Flor, depois do nascimento da sua primeira filha, Rhayalla.

  • Aline Riscado na Vila Isabel © Daniel Delmiro/AgNews

    Nesta segunda-feira (24), a Marquês de Sapucaí receberá mais seis escolas de samba que compõem o Grupo Especial do Rio de Janeiro. Além das alas, alegorias e comissão de frente, todos os olhos na passarela do samba estarão voltados para uma posição em especial: as rainhas de bateria e seus ritmistas.

    VOCÊ VIU? Anitta se veste de sapo no Carnaval da Cidade, em SP

    Carvalheira em Olinda tem show de axé, funk e sertanejo

    No Baile do Copa, Renata Spallicci usa look de protesto

    Filho de Arlindo Cruz fala da emoção em ver o pai na avenida

    Primeira a desfilar nesta noite, Raphaela Gomes segue como rainha de bateria da São Clemente há cinco anos. Ela estreou no cargo com 15 anos, quando ocupou o lugar deixado pela prima, Bruna Almeida. Quem está de volta ao Carnaval do Rio é Aline Riscado, que ocupou o espaço deixado por Sabrina Sato na Vila Isabel, depois de nove anos.

    Umas das rainhas mais esperadas continua sendo Viviane Araújo, afinal, ela já está há 25 anos no carnaval. Só no Salgueiro, a atriz reina à frente da bateria pelo 12º ano seguido. Depois de desfilar em 2019 como musa da Mocidade e rainha de bateria na Unidos de Bangu, na Série A, a cantora Lexa assume o posto de rainha da Unidos da Tijuca.

    Giovana Angélica estreia no cargo de rainha de bateria da Mocidade, deixado por Camila Silva. Raissa Oliveira estreou no cargo de rainha de bateria com somente 12 anos, em 2003, e nunca mais parou. Em 2020, Raissa volta à Sapucaí na Beija-Flor, depois do nascimento da sua primeira filha, Rhayalla.

  • Viviane Araújo na Salgueiro © Glauco Fernandes / AgNews

    Nesta segunda-feira (24), a Marquês de Sapucaí receberá mais seis escolas de samba que compõem o Grupo Especial do Rio de Janeiro. Além das alas, alegorias e comissão de frente, todos os olhos na passarela do samba estarão voltados para uma posição em especial: as rainhas de bateria e seus ritmistas.

    VOCÊ VIU? Anitta se veste de sapo no Carnaval da Cidade, em SP

    Carvalheira em Olinda tem show de axé, funk e sertanejo

    No Baile do Copa, Renata Spallicci usa look de protesto

    Filho de Arlindo Cruz fala da emoção em ver o pai na avenida

    Primeira a desfilar nesta noite, Raphaela Gomes segue como rainha de bateria da São Clemente há cinco anos. Ela estreou no cargo com 15 anos, quando ocupou o lugar deixado pela prima, Bruna Almeida. Quem está de volta ao Carnaval do Rio é Aline Riscado, que ocupou o espaço deixado por Sabrina Sato na Vila Isabel, depois de nove anos.

    Umas das rainhas mais esperadas continua sendo Viviane Araújo, afinal, ela já está há 25 anos no carnaval. Só no Salgueiro, a atriz reina à frente da bateria pelo 12º ano seguido. Depois de desfilar em 2019 como musa da Mocidade e rainha de bateria na Unidos de Bangu, na Série A, a cantora Lexa assume o posto de rainha da Unidos da Tijuca.

    Giovana Angélica estreia no cargo de rainha de bateria da Mocidade, deixado por Camila Silva. Raissa Oliveira estreou no cargo de rainha de bateria com somente 12 anos, em 2003, e nunca mais parou. Em 2020, Raissa volta à Sapucaí na Beija-Flor, depois do nascimento da sua primeira filha, Rhayalla.

  • Lexa na Tijuca © Instagram

    Nesta segunda-feira (24), a Marquês de Sapucaí receberá mais seis escolas de samba que compõem o Grupo Especial do Rio de Janeiro. Além das alas, alegorias e comissão de frente, todos os olhos na passarela do samba estarão voltados para uma posição em especial: as rainhas de bateria e seus ritmistas.

    VOCÊ VIU? Anitta se veste de sapo no Carnaval da Cidade, em SP

    Carvalheira em Olinda tem show de axé, funk e sertanejo

    No Baile do Copa, Renata Spallicci usa look de protesto

    Filho de Arlindo Cruz fala da emoção em ver o pai na avenida

    Primeira a desfilar nesta noite, Raphaela Gomes segue como rainha de bateria da São Clemente há cinco anos. Ela estreou no cargo com 15 anos, quando ocupou o lugar deixado pela prima, Bruna Almeida. Quem está de volta ao Carnaval do Rio é Aline Riscado, que ocupou o espaço deixado por Sabrina Sato na Vila Isabel, depois de nove anos.

    Umas das rainhas mais esperadas continua sendo Viviane Araújo, afinal, ela já está há 25 anos no carnaval. Só no Salgueiro, a atriz reina à frente da bateria pelo 12º ano seguido. Depois de desfilar em 2019 como musa da Mocidade e rainha de bateria na Unidos de Bangu, na Série A, a cantora Lexa assume o posto de rainha da Unidos da Tijuca.

    Giovana Angélica estreia no cargo de rainha de bateria da Mocidade, deixado por Camila Silva. Raissa Oliveira estreou no cargo de rainha de bateria com somente 12 anos, em 2003, e nunca mais parou. Em 2020, Raissa volta à Sapucaí na Beija-Flor, depois do nascimento da sua primeira filha, Rhayalla.

  • Giovana Angélica na Mocidade © Instagram

    Nesta segunda-feira (24), a Marquês de Sapucaí receberá mais seis escolas de samba que compõem o Grupo Especial do Rio de Janeiro. Além das alas, alegorias e comissão de frente, todos os olhos na passarela do samba estarão voltados para uma posição em especial: as rainhas de bateria e seus ritmistas.

    VOCÊ VIU? Anitta se veste de sapo no Carnaval da Cidade, em SP

    Carvalheira em Olinda tem show de axé, funk e sertanejo

    No Baile do Copa, Renata Spallicci usa look de protesto

    Filho de Arlindo Cruz fala da emoção em ver o pai na avenida

    Primeira a desfilar nesta noite, Raphaela Gomes segue como rainha de bateria da São Clemente há cinco anos. Ela estreou no cargo com 15 anos, quando ocupou o lugar deixado pela prima, Bruna Almeida. Quem está de volta ao Carnaval do Rio é Aline Riscado, que ocupou o espaço deixado por Sabrina Sato na Vila Isabel, depois de nove anos.

    Umas das rainhas mais esperadas continua sendo Viviane Araújo, afinal, ela já está há 25 anos no carnaval. Só no Salgueiro, a atriz reina à frente da bateria pelo 12º ano seguido. Depois de desfilar em 2019 como musa da Mocidade e rainha de bateria na Unidos de Bangu, na Série A, a cantora Lexa assume o posto de rainha da Unidos da Tijuca.

    Giovana Angélica estreia no cargo de rainha de bateria da Mocidade, deixado por Camila Silva. Raissa Oliveira estreou no cargo de rainha de bateria com somente 12 anos, em 2003, e nunca mais parou. Em 2020, Raissa volta à Sapucaí na Beija-Flor, depois do nascimento da sua primeira filha, Rhayalla.

  • Raíssa Oliveira na Beija-Flor © AgNews

    Nesta segunda-feira (24), a Marquês de Sapucaí receberá mais seis escolas de samba que compõem o Grupo Especial do Rio de Janeiro. Além das alas, alegorias e comissão de frente, todos os olhos na passarela do samba estarão voltados para uma posição em especial: as rainhas de bateria e seus ritmistas.

    VOCÊ VIU? Anitta se veste de sapo no Carnaval da Cidade, em SP

    Carvalheira em Olinda tem show de axé, funk e sertanejo

    No Baile do Copa, Renata Spallicci usa look de protesto

    Filho de Arlindo Cruz fala da emoção em ver o pai na avenida

    Primeira a desfilar nesta noite, Raphaela Gomes segue como rainha de bateria da São Clemente há cinco anos. Ela estreou no cargo com 15 anos, quando ocupou o lugar deixado pela prima, Bruna Almeida. Quem está de volta ao Carnaval do Rio é Aline Riscado, que ocupou o espaço deixado por Sabrina Sato na Vila Isabel, depois de nove anos.

    Umas das rainhas mais esperadas continua sendo Viviane Araújo, afinal, ela já está há 25 anos no carnaval. Só no Salgueiro, a atriz reina à frente da bateria pelo 12º ano seguido. Depois de desfilar em 2019 como musa da Mocidade e rainha de bateria na Unidos de Bangu, na Série A, a cantora Lexa assume o posto de rainha da Unidos da Tijuca.

    Giovana Angélica estreia no cargo de rainha de bateria da Mocidade, deixado por Camila Silva. Raissa Oliveira estreou no cargo de rainha de bateria com somente 12 anos, em 2003, e nunca mais parou. Em 2020, Raissa volta à Sapucaí na Beija-Flor, depois do nascimento da sua primeira filha, Rhayalla.





Close sidebar