Análise: Em dia fraco, Viradouro e Porto da Pedra se destacam no Rio


  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © AgNews
  • © Márcio Cassol/Famosidades
  • © AgNews
  • © Barbara Alejandra/Famosidades
  • © Márcio Cassol/Famosidades
  • © AgNews
  • © AgNews
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Barbara Alejandra/Famosidades
  • © AgNews
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © AgNews
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Manuela Scarpa e Amauri Nehn/Brazil News
  • © Marcos Ribas e Cláudio Augusto/Brazil News
  • © Leo Franco / AgNews
  • © AgNews
  • © AgNews


Sete escolas abriram o Carnaval Série A do Rio de Janeiro. Os destaques ficaram por conta de duas agremiações que passaram recentemente pelo Grupo Especial: Viradouro e Porto da Pedra.





A primeira deixou a Avenida aos gritos de “É campeã”. A vermelha e branca de Niterói fez uma crítica à intolerância religiosa em enredo de ópera sobre um africano assinado por Max Lopes. O luxo das fantasias e a grandiosidade dos carros alegóricos chamaram atenção.

Já a Porto da Pedra apresentou um empolgante e colorido desfile em homenagem ao palhaço Carequinha. Os hits e as referências circenses usadas durante a passagem da escola levantou a platéia e transformou a Passarela do Samba em um enorme picadeiro.

Problemas de tempo e com alegorias marcam primeiro dia



Com um enredo sobre o povo brasileiro, a Acadêmicos da Rocinha acabou estourando o tempo em um minuto após o carro abre-alas ficar entalado no último setor da Avenida. A Acadêmicos de Santa Cruz não teve problema com alegoria, mas também ultrapassou os 55 minutos e deverá ser penalizada na apuração.



Já a Renascer de Jacarepaguá fez um desfile forte e divertido sobre São Cosme e Damião, mas um problema na segunda alegoria deve tirar pontos preciosos da escola.

Por sua vez, a Alegria da Zona Sul fez um desfile morno e bastante óbvio sobre Ogum.

A Império da Tijuca fechou o primeiro dia com uma passagem correta, porém sem graça, sobre a vida e obra de José Wilker.

LEIA TAMBÉM:

Carro entala na Avenida e Acadêmicos da Rocinha estoura tempo de desfile

Com carro quebrado, Renascer de Jacarepaguá brinca de Cosme e Damião na Sapucaí

Viradouro critica intolerância religiosa em enredo de ópera sobre africano

Com enredo batido, Alegria da Zona Sul leva Ogum e não empolga Sapucaí

Santa Cruz estoura tempo e será punida no Rio

Com tributo a Carequinha, Porto da Pedra transforma Sapucaí em picadeiro

Sem famosos, Império da Tijuca faz homenagem a José Wilker