Salgueiro se manifesta sobre uso de pombos em ensaio: “Não houve intenção de maltratar animais”


  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews


Nesta sexta-feira (29), o Acadêmicos do Salgueiro usou o perfil do grêmio recreativo no Facebook para comentar sobre o episódio envolvendo a morte de 48 dos 68 pombos que foram liberados durante o ensaio técnico da comunidade no último domingo (24), na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro.





Veja também:

Salgueiro será notificado por crime ambiental após soltar pombos em ensaio; 48 aves morreram

“Viemos através desta declarar nosso sincero pedido de desculpas e ressaltar que não houve intenção alguma de maltratar animais. O Salgueiro tem diversos projetos sociais e está sempre disposto a ajudar. Ressaltamos que não foi pretendida em tempo nenhum a participação de animais no desfile oficial”, informou os representantes do Salgueiro no comunicado.

Segundo o Paulo Maia, presidente da ONG “SOS Aves e Cia”, o ocorrido configuraria crime ambiental.



“Os pombos soltos pelo Salgueiro são aves criadas em cativeiro, que não sabem procurar comida pois são alimentadas pelo homem. Ao soltarem as 68 aves no Sambódromo, eles deixaram os pombos desnorteados em um local poluído sonoramente. Elas caíram no chão e muitas foram pisoteadas, morrendo. As que conseguimos salvar machucaram as asas”, contou ao “Ego”.