Salgueiro será notificado por crime ambiental após soltar pombos em ensaio; 48 aves morreram


  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews
  • © Anderson Borde/AgNews


A comunidade do Salgueiro ainda não entrou na Avenida para o desfile de Carnaval deste ano, mas já vem dando o que falar. Isso porque 48 dos 68 pombos que o grêmio recreativo soltou na abertura do ensaio técnico do último domingo (24), na Marquês de Sapucaí, morreram pisoteados. Fato que despertou a revolta das entidades defensoras de animais. As aves que foram resgatadas e sobreviveram estão machucadas, com as asas feridas. Por causa disso, a ONG “SOS Aves e Cia” decidiu notificar a comunidade vermelha e branca por crime ambiental, ainda nesta sexta-feira (29).

Paulo Maia, presidente da instituição, explicou que o pombo é uma ave protegida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Animais (IBAMA), que considera crime matar, apreender ou maltratar as aves.

“Os pombos soltos pelo Salgueiro são aves criadas em cativeiro, que não sabem procurar comida, pois são alimentadas pelo homem. Ao soltarem as 68 aves no Sambódromo, eles deixaram os pombos desnorteados em um local poluído sonoramente. As aves caíram no chão e muitas foram pisoteadas, morrendo. As que conseguimos salvar machucaram as asas”, contou ao “Ego”.

Ainda segundo o responsável pela ONG, o Ministério Público abrirá inquérito e processará o Salgueiro pelo delito. A pena pode chegar a um ano de detenção, além da multa para os responsáveis.

“Será investigado quem foi o responsável por levar os animais para o desfile e ele será punido. Não pode chegar num ambiente e soltar pombos”, completou Maia.

As aves restantes estão sendo cuidadas na sede da entidade em Saquarema, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro.

A assessoria de imprensa do Salgueiro, por sua vez, não quis entrar em detalhes a respeito das acusações: “Nosso jurídico está cuidando disso. A agremiação não vai se pronunciar”.



Close sidebar