Com filha presa, morre avô materno de Henry Borel


© Instagram


Fernando José Fernandes da Costa e Silva faleceu em Bangu, no Rio de Janeiro, no último domingo (11). O funcionário civil da aeronáutica, avô de Henry Borel Medeiros, foi mais uma vítima das complicações da Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Rhyca Vírus? Veja como as celebridades eram antes da fama

Veja fotos do triplex de Zezé Di Camargo e Graciele Lacerda

Cristiano Ronaldo aluga mansão de R$ 72 mil por dia; veja!

De acordo com o jornal “Extra”, o idoso, que estava internado em um hospital da região, tinha outros problemas de saúde, o que contribuiu para que ele não resistisse aos efeitos da doença em seu corpo.

O veterano era pai de Monique Medeiros da Costa e Silva, que está presa e é acusada de participação no assassinato do garotinho, de quatro anos de idade, que era seu próprio filho.

Alem de Monique, seu namorado, Dr. Jairinho – o médico e ex-vereador Jairo de Souza Santos – também está detido.

As acusações que pesam sobre o casal são tortura, homicídio triplamente qualificado, coação no curso do processo e fraude processual.

Henry do Borel foi declarado morto em 8 de março, após dar entrada no Hospital Barra D’Or, também no Rio de Janeiro, com um quadro gravíssimo.

No laudo da necropsia, foram identificadas 23 lesões no menino, dentre elas uma laceração no fígado, danos nos rins e hemorragia na cabeça. O documento definiu o quadro como ferimentos compatíveis com “ação violenta”.

Segundo a Polícia Civil, os responsáveis pelo crime de tortura que tiraram a vida da criança foram a mãe e o então padrasto.

  • © Instagram

    Caso Henry Borel

    Em março deste ano, Henry Borel Medeiros foi morto, aos 4 anos de idade, após ser agredido no apartamento em que vivia com o padrasto, o então vereador do Rio de Janeiro Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho, e com a mãe, Monique Medeiros. Após investigações, a polícia prendeu os dois adultos pelo crime e descobriu que Jairinho já havia agredido filhos de outras namoradas no passado. A dupla aguarda seu julgamento. A causa oficial do óbito do pequeno foi hemorragia interna e laceração hepática (lesões no fígado) causadas por “ação contundente”

  • © Instagram

    Caso Henry Borel

    Em março deste ano, Henry Borel Medeiros foi morto, aos 4 anos de idade, após ser agredido no apartamento em que vivia com o padrasto, o então vereador do Rio de Janeiro Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho, e com a mãe, Monique Medeiros. Após investigações, a polícia prendeu os dois adultos pelo crime e descobriu que Jairinho já havia agredido filhos de outras namoradas no passado. A dupla aguarda seu julgamento. A causa oficial do óbito do pequeno foi hemorragia interna e laceração hepática (lesões no fígado) causadas por “ação contundente”

  • © TV Globo

    Caso Lázaro Barbosa

    Aos 32 anos de idade, Lázaro Barbosa, foi baleado e morto, no dia 28 de junho, em Goiás, após 20 dias de uma megaoperação policial para capturá-lo. Condenado por assassinatos e abusos, o rapaz estava sendo procurado por uma série de crimes na Bahia e em Goiás, além de ser acusado de tirar a vida de quatro pessoas de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, e de um caseiro de uma fazenda no distrito de Girassol, em Goiás

  • © RecordTV

    Caso Lázaro Barbosa

    Aos 32 anos de idade, Lázaro Barbosa, foi baleado e morto, no dia 28 de junho, em Goiás, após 20 dias de uma megaoperação policial para capturá-lo. Condenado por assassinatos e abusos, o rapaz estava sendo procurado por uma série de crimes na Bahia e em Goiás, além de ser acusado de tirar a vida de quatro pessoas de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, e de um caseiro de uma fazenda no distrito de Girassol, em Goiás

  • © Divulgação

    Filha de Glória Perez, Daniella Perez foi morta no dia 28 de dezembro de 1992, aos 22 anos de idade, por seu então par romântico na novela “Corpo e Alma”, da TV Globo, Guilherme de Pádua. O rapaz contou com o auxílio de sua esposa, Paula Thomaz, na execução do crime. A jovem foi vítima de 18 punhaladas no pescoço, pulmão e no coração.

    O caso, claro, repercutiu muito no País. Confira outras histórias que causaram comoção a seguir!

  • © TV Globo

    Caso Daniella Perez

    Filha de Glória Perez, Daniella Perez foi morta no dia 28 de dezembro de 1992, aos 22 anos de idade, por seu então par romântico na novela “Corpo e Alma”, da TV Globo, Guilherme de Pádua. O rapaz contou com o auxílio de sua esposa, Paula Thomaz, na execução do crime. A jovem foi vítima de 18 punhaladas no pescoço, pulmão e no coração

  • © Facebook

    Caso Isabella Nardoni

    Em 2008, Isabella Nardoni foi morta, aos 5 anos de idade, pelo próprio pai, Alexandre Nardoni, e pela madrasta, Anna Carolina Jatobá. O crime aconteceu em um edifício de alto padrão na zona norte de São Paulo. A polícia concluiu que, após ser asfixiada por Anna Carolina, Isabella foi jogada do sexto andar do prédio por Alexandre

  • © Facebook

    Caso Isabella Nardoni

    Em 2008, Isabella Nardoni foi morta, aos 5 anos de idade, pelo próprio pai, Alexandre Nardoni, e pela madrasta, Anna Carolina Jatobá. O crime aconteceu em um edifício de alto padrão na zona norte de São Paulo. A polícia concluiu que, após ser asfixiada por Anna Carolina, Isabella foi jogada do sexto andar do prédio por Alexandre

  • © TV Globo

    Caso Suzane von Richtofen

    Suzane Louise von Richthofen planejou, em 2002, a morte de seus pais, Manfred e Marísia, com o então namorado, Daniel Cravinhos. O rapaz, com a ajuda de seu irmão, Christian, tirou a vida dos veteranos dentro da casa da família. Suzane ainda conseguiu fingir estar sofrendo com a perda por algum tempo. Contudo, a polícia logo concluiu que ela, na época com 18 anos de idade, estava envolvida no crime

  • © RecordTV

    Caso Suzane von Richtofen

    Suzane Louise von Richthofen planejou, em 2002, a morte de seus pais, Manfred e Marísia, com o então namorado, Daniel Cravinhos. O rapaz, com a ajuda de seu irmão, Christian, tirou a vida dos veteranos dentro da casa da família. Suzane ainda conseguiu fingir estar sofrendo com a perda por algum tempo. Contudo, a polícia logo concluiu que ela, na época com 18 anos de idade, estava envolvida no crime

  • © RecordTV

    Caso Eloá

    O caso Eloá Pimentel durou cerca de 100 horas, em um apartamento de Santo André, no ABC paulista. Em outubro de 2008, Lindemberg Alves Fernandes, de 22 anos, fez a moça, de 15 anos, e Nayara, sua amiga, reféns por não aceitar o término do namoro com Eloá. Em uma estratégia duramente criticada, a polícia invadiu o cativeiro para tentar libertar as jovens. Encurralado, Lindemberg atirou contra Eloá, que foi socorrida, mas não resistiu

  • © Facebook

    Caso Eloá

    O caso Eloá Pimentel durou cerca de 100 horas, em um apartamento de Santo André, no ABC paulista. Em outubro de 2008, Lindemberg Alves Fernandes, de 22 anos, fez a moça, de 15 anos, e Nayara, sua amiga, reféns por não aceitar o término do namoro com Eloá. Em uma estratégia duramente criticada, a polícia invadiu o cativeiro para tentar libertar as jovens. Encurralado, Lindemberg atirou contra Eloá, que foi socorrida, mas não resistiu

  • © RecordTV

    Caso Maníaco do Parque

    Aos 30 anos de idade, o motoboy Francisco de Assis Pereira foi identificado como o temido Maníaco do Parque, que atacava mulheres no Parque do Estado, na zona sul de São Paulo, em 1998. O criminoso foi condenado por tirar a vida de 7 mulheres e abusar e roubar de outras 9

  • © TV Globo

    Caso Maníaco do Parque

    Aos 30 anos de idade, o motoboy Francisco de Assis Pereira foi identificado como o temido Maníaco do Parque, que atacava mulheres no Parque do Estado, na zona sul de São Paulo, em 1998. O criminoso foi condenado por tirar a vida de 7 mulheres e abusar e roubar de outras 9

  • © Arquivo Pessoal e Divulgação/TJMG

    Caso Goleiro Bruno e Eliza Samudio

    O goleiro Bruno foi parar nas páginas policiais, em 2010, após, de acordo com os investigadores, mandar matar Eliza Silva Samúdio, de 25 anos, mãe de seu filho. Segundo a investigação, Eliza foi convencida pelo goleiro a ir a um sítio em Minas Gerais. Depois disso, nunca mais foi vista. A polícia concluiu que a moça foi estrangulada e teve o corpo desmembrado. Bruno foi julgado como mandante do crime

  • © Divulgação

    Caso Goleiro Bruno e Eliza Samudio

    O goleiro Bruno foi parar nas páginas policiais, em 2010, após, de acordo com os investigadores, mandar matar Eliza Silva Samúdio, de 25 anos, mãe de seu filho. Segundo a investigação, Eliza foi convencida pelo goleiro a ir a um sítio em Minas Gerais. Depois disso, nunca mais foi vista. A polícia concluiu que a moça foi estrangulada e teve o corpo desmembrado. Bruno foi julgado como mandante do crime

  • © TV Globo

    Caso Ônibus 174

    Em 12 de junho de 2000, durante quase quatro horas, o assaltante Sandro do Nascimento manteve dez passageiros como reféns em um ônibus da linha 174, no Rio de Janeiro. Depois de uma longa negociação e com quase todos os reféns libertados, o criminoso desceu do ônibus levando consigo, como escudo humano, a professora Geísa Firmo Gonçalves, de 20 anos. Nessa hora, um policial do Batalhão de Operações Especiais (Bope) se aproximou e atirou quase à queima-roupa. O disparo do policial, porém, acertou a professora. Sandro também disparou contra ela. A passageira morreu. Sandro foi rendido e morto minutos depois na viatura da PM

  • Caso Ônibus 174

    Em 12 de junho de 2000, durante quase quatro horas, o assaltante Sandro do Nascimento manteve dez passageiros como reféns em um ônibus da linha 174, no Rio de Janeiro. Depois de uma longa negociação e com quase todos os reféns libertados, o criminoso desceu do ônibus levando consigo, como escudo humano, a professora Geísa Firmo Gonçalves, de 20 anos. Nessa hora, um policial do Batalhão de Operações Especiais (Bope) se aproximou e atirou quase à queima-roupa. O disparo do policial, porém, acertou a professora. Sandro também disparou contra ela. A passageira morreu. Sandro foi rendido e morto minutos depois na viatura da PM

  • © Reprodução

    Caso Bandido da Luz Vermelha

    Outro caso que mobilizou a mídia brasileira foi o de João Acácio Pereira da Costa, o Bandido da Luz Vermelha. Até ser preso no Paraná, em 1967, o criminoso cometeu 77 assaltos, dois homicídios, dois latrocínios e sete tentativas de morte. Além disso, estima-se que ele tenha abusado de mais de 100 mulheres. Em 1998, pouco depois de deixar a prisão, foi morto por um tiro na cabeça

  • © TV Globo

    Caso Bandido da Luz Vermelha

    Outro caso que mobilizou a mídia brasileira foi o de João Acácio Pereira da Costa, o Bandido da Luz Vermelha. Até ser preso no Paraná, em 1967, o criminoso cometeu 77 assaltos, dois homicídios, dois latrocínios e sete tentativas de morte. Além disso, estima-se que ele tenha abusado de mais de 100 mulheres. Em 1998, pouco depois de deixar a prisão, foi morto por um tiro na cabeça

  • © Reprodução

    Caso Lindomar Castilho

    No dia 30 de março de 1981, o cantor Lindomar Castilho tirou a vida de sua ex-esposa, a cantora Eliane Aparecida de Grammont.
    Devido às agressões e ciúmes em virtude do alcoolismo do artista, bastante famoso na época, a jovem, de 25 anos de idade, pediu a separação. Depois disso, chegou a se relacionar com o primo dele, conhecido como Carlos Randall. Três meses separada, porém, recebeu cinco tiros pelas costas enquanto cantava na Bela Vista, em São Paulo. Lindomar foi preso em flagrante

  • © Reprodução

    Caso Lindomar Castilho

    No dia 30 de março de 1981, o cantor Lindomar Castilho tirou a vida de sua ex-esposa, a cantora Eliane Aparecida de Grammont.
    Devido às agressões e ciúmes em virtude do alcoolismo do artista, bastante famoso na época, a jovem, de 25 anos de idade, pediu a separação. Depois disso, chegou a se relacionar com o primo dele, conhecido como Carlos Randall. Três meses separada, porém, recebeu cinco tiros pelas costas enquanto cantava na Bela Vista, em São Paulo. Lindomar foi preso em flagrante



Close sidebar