Ana Hickmann diz que fã apontou arma para sua cabeça e puxou o gatilho: “Filme de terror”


  • © Record
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © Record
  • © Record
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram


Ana Hickmann contou, pela primeira vez, detalhes da tragédia da qual foi vítima, no último sábado (21), em Minas Gerais. A apresentadora da Record chorou muito ao lembrar os momentos que foi feita refém por um fã em um hotel de luxo em Belo Horizonte.





“É difícil de acreditar que aquela imagem, aquela cena, aqueles tiros, aconteceram. Parece cena de filme de terror. Não vou esquecer essas imagens nunca mais”, disse em entrevista ao “Domingo Espetacular”, da Record, na noite deste domingo (22).

VOCÊ VIU? Cunhado de Ana Hickmann diz matou fã-sequestrador com dois tiros na cabeça

A apresentadora do “Hoje em Dia” contou que ao ver Rodrigo de Pádua entrar armado em seu quarto na companhia do seu cunhado, Gustavo Henrique, achou que se tratava de um assalto.

“A princípio, achei que fosse um roubo, um arrastão. Ele foi de uma frieza, de uma segurança, o tempo todo apontando a arma pra mim. Olhava pra mim com um ódio. Ele deixou bem claro que, se eu não fosse dele, não seria de mais ninguém”, relatou.



A ex-modelo disse que o rapaz estava muito nervoso, passou todo o tempo lhe xingando e a acusou de ter lhe rejeitado. “Você é uma mentira, duvidou do amor que eu tinha por você”, gritou o atirador em determinada ocasião.



A loira desmaiou no momento em que Rodrigo se aproximou e colocou a arma em sua cabeça: “Ele puxou o gatilho e atirou duas vezes, mas não pegou em mim. Nessa hora, eu apaguei. Mesmo assim, continuei ouvindo tudo. Os gritos, a briga, tudo”.

Ao conseguir deixar o quarto de hotel, a gaúcha foi levada para outra suíte onde permaneceu por um tempo, sozinha, e ficou sem notícias.

“Não sei dizer quanto tempo fiquei lá. Mas, para mim, foi uma eternidade. Foi horrível porque eu não sabia se meu cunhado tinha morrido, se ele [o atirador] tinha escapado e estava atrás de mim…”, disse.

A apresentadora disse ainda que não pretende mudar seu estilo de vida por causa da tragédia, mas assumiu que irá tomar mais cuidado com relação à sua segurança.

Por fim, a estrela da Record garantiu não ter raiva de seu algoz. “Voltando para casa no avião, vim pensando nisso. Tentei sentir raiva, mas não consegui. Senti pena. Espero que onde ele estiver agora que busque serenidade e consolo”, alertou.

Entenda o caso

Ana Hickmann sofreu um atentado de Rodrigo de Pádua, homem que se dizia ser seu ‘fã’, em um hotel onde estava hospedada em Belo Horizonte.

O rapaz fez o cunhado da famosa, Gustavo Corrêa, de refém e o obrigou a leva-lo até o quarto de Ana. A artista estava acompanhada de sua cunhada, Giovana Oliveira, no momento da confusão.

Chegando ao local, Pádua atirou duas vezes em direção a Ana, porém, acabou atingindo Giovana no braço e na barriga. Gustavo iniciou uma briga corporal com o indivíduo e a arma acabou fazendo três disparos contra Rodrigo, que morreu no local.

O caso será investigado como legítima defesa de Gustavo.