Ator mirim, de “This Is Us”, relata episódios de racismo


© Divulgação


Lonnie Chavis, que vive a versão jovem do personagem Randall na série “This is Us”, desabafou sobre racismo. O ator, de 12 anos, contou que já foi vítima de preconceito diversas vezes. Ele revelou que já foi acusado de roubo em um restaurante por ser negro e também disse que o seu pai foi agredido por um policial por conta de uma multa de trânsito.

VOCÊ VIU? Juju Salimeni relata depressão e buracos no couro cabeludo

Manu Gavassi rebate haters: “Não vou nunca me intimidar”

Stênio Garcia desmente estar vivendo na “extrema pobreza”

Silvio Santos deve voltar a gravar no SBT apenas em 2021

“Eu fui racialmente perfilado em um restaurante em San Diego enquanto visitava um dos meus jovens colegas negros. Seus primos negros e eu fomos acusados ​​por uma jovem branca trabalhando na caixa registradora de tentar roubar as poucas gorjetas em seu copo. Foi uma provação enorme que quase levou a polícia a nos chamar enquanto estávamos com nossos pais – até que algum fã maravilhoso que era branco disse a eles que eu era um ator profissional em duas séries de TV atualmente no ar e argumentou que ele duvidava que eu precisaria roubar alguns dólares dela”, desabafou o ator, em entrevista à revista “People”.

“Meu aniversário caiu no Dia de Ação de Graças. Depois de chegar tarde em casa com minha família da minha festa de aniversário, um policial de Long Beach torceu o braço do meu pai pelas costas e o puxou da nossa porta com a porta aberta, alegando que estava sendo detido por uma multa de trânsito”, completou.

A série “This is Us” já abordou o racismo em várias ocasiões ao longo de suas quatro temporadas. Lonnie Chavis lembrou de um caso no set da obra, quando Randall tem uma cena com uma avó racista. O ator revelou que foi às lagrimas de verdade durante a gravação por recordar de tudo que já passou.

“O diretor e os roteiristas disseram que não precisavam que eu chorasse. No entanto, foi difícil para mim não chorar, pois testemunhei o que acabara de aprender sobre a minha realidade. Eu não estava atuando, estava chorando por mim”, confessou. “Você pode imaginar ter que explicar para uma sala cheia de brancos porque eu não consegui segurar minhas lágrimas reais enquanto experimentava a dor do racismo? Eu posso”, argumentou.

 

 

 



Close sidebar