Atriz acusa diretor do filme de Bruna Marquezine de assédio


© Instagram


Talita Coling acusou Klaus Mitteldorf, diretor do filme “Vou Nadar até Você”, estrelado por Bruna Marquezine, de assédio sexual. A atriz, que trabalhou na produção do longa, contou que o episódio aconteceu em 2017.





VOCÊ VIU? Claudia Leitte mostra 1ª foto da filha após dar à luz

Gustavo Mioto e Thaynara OG terminam o namoro

Reynaldo Gianecchini mostra bastidores de tiro em “Dona”

Tata Werneck se desculpa com empresário de Chrystian e Ralf

“Eu não falei disso antes por medo. Enfim, eu não tinha feito nenhum trabalho relevante ainda e tive medo de me prejudicar. Ainda tenho! Mas enfim, me deu enjoo quando vi as fotos em Gramado. Nojo!”, afirmou, em entrevista à colunista Fábia Oliveira, do jornal “O Dia”.

Sem papas na língua, a jovem relatou como tudo aconteceu. “[…] Comecei a trabalhar na pós produção desse filme. O assédio aconteceu na produtora dele. Era final de tarde e eu estava quase indo embora já! Ele vivia me elogiando, nas palavras dele eu era muito atrativa por ser menina e ao mesmo tempo mulher. Nesse dia, ele me encurralou, me segurou, tentou me beijar na boca. Fiquei com o rosto todo babado!”, afirmou.

E continuou: “[…] Tinha a marca da boca dele em mim! E eu saí de lá tremendo mas mandei a mensagem para ele no WhatsApp porque era a única forma de ‘provar’ o que tinha acontecido, já que estávamos sozinhos ali!”.

A atriz contou que na ocasião registrou um Boletim de Ocorrência e que abriu um processo, que agora já chegou ao fim com a condenação do diretor. Talita relembrou, ainda, que uma das atrizes do longa apoiou Klaus. “Ela faz a mãe da Bruna Marquezine no filme! Ela é amiga pessoal dele e eu tinha uma admiração enorme por ela. Ela soube porque no dia da audiência do processo ela estava lá para testemunhar a favor dele. Não me apoiou, não!”, disse.

Além do processo por assédio, a jovem também colocou na ação a questão trabalhista, já que ela era produtora. “O valor foi tão vergonhoso… Eu acabei recebendo mais pelas verbas rescisórias porque, infelizmente, não se indeniza assédio nesse país e acaba ficando por isso mesmo. A vítima é sempre questionada e ridicularizada…”, avaliou.