Daiana Garbin conta que ficou com medo no início da gravidez


© Instagram


Daiana Garbin abriu o coração para falar de suas angústias durante a gravidez de Lua, fruto de seu relacionamento com o marido, Tiago Leifert. A escritora contou que, quando soube da gestação, ficou bastante receosa. Por conta de conflitos internos, ela revelou que tinha medo de ser mãe de menina. A jornalista, entretanto, disse que contou com o apoio do esposo para vencer essa insegurança.





VOCÊ VIU? Selena Gomez fala de dueto com Taylor Swift: “Queremos”

Viola Davis revela que passou fome na infância: “Vergonha”

Sylvester Stallone coloca à venda carro de R$ 1,8 milhões

Agnaldo Timóteo revela mágoa de Roberto Carlos: “Deselegante”

“Quando descobri que estava grávida, pensei: ‘meu Deus do céu’. Sempre tive medo de ser mãe de menina por conta de todo o sofrimento que eu tive com meu corpo. Como iria educá-la? Mas meu marido me disse uma coisa muito bonitinha: ‘Claro que Deus iria mandar uma menina, porque você vai saber ser uma mãe maravilhosa e ensiná-la tudo que aprendeu. Olha que oportunidade maravilhosa’. Sei que não serei a mãe perfeita e nem espero, mas vou ser a melhor que puder”, afirmou a escritora ao jornal “Extra”.

Na entrevista, Daiana Garbin também falou sobre como está encarando este período de pandemia. Ela contou que a gravidez potencializou os sentimentos durante a quarentena, principalmente, por saber que sua família não irá acompanhar seu parto, que deve ocorrer em outubro.

“Confesso que o começo foi mais difícil, principalmente por estar grávida. Agora estou com sete meses. Quando veio a pandemia, pensei: ‘Vou passar a gravidez inteira trancada’. Minha família mora no Rio Grande do Sul, então, não me me viu (pessoalmente). Não sei se meus pais vão vir para o parto ou se vão conhecer logo a neta (ela mora em São Paulo). São coisas que me deixam triste. Mas escolhi olhar pelo outro lado. Fico feliz quando mostro a barriga por vídeo ou pelo WhatsApp. Depois de tantos anos de terapia e medicação, consegui olhar para o que há de bom e aceitar a dificuldade”, refletiu.