Dinho Ouro Preto diz que parou com remédio ansiolítico


© Instagram


Recuperado do novo coronavírus, Dinho Ouro Preto revelou que o tratamento contra a Covid-19 e o período de isolamento o fizeram abandonar um vício. O vocalista do “Capital Inicial” contou que parou de tomar os remédios ansiolíticos, que servem como um tranquilizante contra os sintomas da Ansiedade.





VOCÊ VIU? Bruno Gissoni exalta relação com filha durante quarentena

Sobre quarentena, Gio Ewbank afirma: “Nunca trabalhei tanto”

Paizão, Luciano Camargo seca o cabelo da filha: “Com amor”

‘Mãe de criação’ de Jojo Todynho morre de coronavírus

Em entrevista à revista “Veja”, o músico contou a sua luta contra diversos vícios ao longo da vida, da cocaína até medicamentos. Dinho Ouro Preto comemorou o fato de estar “limpo”.

“Deixei para trás a cocaína há quinze anos, parei com o cigarro há dez e estou sem beber há três. E sabe o que mais? Vai parecer maluquice, mas estou há três semanas sem tomar Rivotril. Um hábito horrível que adquiri durante as rotinas insanas de viagens sem dormir. A Covid-19 me ajudou nisso: só consegui me livrar quando parei minha rotina totalmente. Era a última substância que eu precisava largar. Agora posso dizer que estou limpo”, revelou o cantor.

Dinho Ouro Preto, durante a entrevista, contou como foi conviver com o coronavírus. No relato, o vocalista disse que nunca sofreu tanto com uma doença, como ocorreu com a Covid-19. Para o cantor, foram dias horríveis até se recuperar totalmente.



“O ciclo do vírus no meu corpo foi de 28 dias ininterruptos de febre. Começava em torno das 18 horas. Eu tomava um comprimido de analgésico e desmaiava. No meio da madrugada, o efeito passava, a febre voltava, eu tomava outro comprimido e tornava a dormir. Acordava pela manhã com o corpo dolorido, sem vontade de sair da cama. Ficava assim até o ciclo se reiniciar mais uma vez. Eu me sentia um mero espectador da batalha que meu organismo travava contra o vírus. Sem poder fazer nada, apenas torcia para que minhas defesas fossem fortes o suficiente para matar o vírus.. No nono dia, clímax da doença, temi por complicações. Comecei a ter falta de ar, uma sensação de estar me sufocando. Você tenta sugar o ar, mas ele não chega a seus órgãos. Parece um afogamento seco. Felizmente, tão rápido quanto apareceu, a infecção saiu do meu corpo. Só fiquei totalmente rouco por um bom tempo. Demorei mais de um mês para conseguir cantar”, que completou. “Nada se compara ao que senti nas semanas em que estive doente. Nunca peguei algo tão forte como esse vírus”, finalizou.