Ex-BBB Cacau lamenta críticas: “Não pode envelhecer e mudar”


© Instagram


Um dos destaques da décima edição do “Big Brother Brasil”, Cacau Colucci afirmou que, desde que ganhou fama, começou a sofrer uma grande pressão da sociedade para manter-se sempre bela e magra. Atualmente com 38 anos de idade, a modelo contou que teve momentos em que sentiu vergonha de seu próprio corpo por conta de críticas recebidas.





VOCÊ VIU? Paulo Gustavo comemora 1 ano de Romeu: “Meu maior presente”

Ivy Moraes, do “BBB20”, garante que não faz dieta restritiva

Bianca Andrade vê lado positivo por ficar dias internada

Luiza Ambiel fala sobre depressão e relacionamento abusivo

“Quando você posa nua, faz Carnaval e ensaios sensuais, acaba virando um padrão de beleza, mesmo que você não seja. Te endeusam. O lado negativo disso é a cobrança. Tem que estar sempre muito impecável. A pessoa te viu daquele jeito e espera que você esteja aquilo ou melhor. Passam os anos, mas você não pode envelhecer e mudar. Você se expõe pela beleza e as pessoas acabam te julgando mais. Dizem que você não é inteligente, que é metida, chata ou fútil. Não entende que você apenas estava aproveitando uma oportunidade de trabalho”, contou a ex-BBB, em entrevista para a “Quem”.

“Já teve época em que não levantava da areia para ir ao mar com vergonha da celulite, ficava só de canga e deixava de ser feliz. Baixa autoestima é de fase. Tem dia em que você acorda se achando feia. Mas hoje as mulheres estão se aceitando mais, estão vendo que existem vários tipos de beleza e se libertando um pouco dessas algemas de padrões. É um processo. Mas ainda tem os dias em que acordo me achando feia, achando que nenhuma roupa fica boa”, completou.

Cacau Colucci afirmou que, nestes tempos de pandemia do novo coronavírus, relaxou um pouco com a alimentação e a rotina de treinos. Ela contou que ganhou três quilos nos últimos meses.



“No começo da quarentena foi muito difícil manter a boa forma. Não dava para manter a dieta, não dava para treinar direito… Engordei uns três quilos. Depois fui melhorando a alimentação e comecei a fazer exercícios em casa. Quando melhorou um pouco a situação, comecei a caminhar de máscara. Agora abriram as academias e dá para ir. Não estou fazendo supertreinos, porque os horários são restritos, mas estou de volta à ativa. Mas esse ano foi bem complicado para manter a forma”, ponderou.