“Foi queima de arquivo”, diz mãe de Eliza Samudio 12 anos após morte


© Divulgação


Nesta quinta-feira (10), a morte de Eliza Samudio completa 12 anos. Em busca de Justiça desde que perdeu a filha, na época com 25 anos de idade, Sônia Moura, mãe da jovem, deu sua opinião sobre o motivo de o goleiro Bruno Fernandes, Henrique Ferreira Romão – o Macarrão – e Marcos Aparecido dos Santos – o Bola – terem tirado a vida da moça.

LEIA TAMBÉM: Polícia indicia mãe de Nego do Borel por agressão à enteada de 8 anos

Silas Malafaia revela real estado de saúde de R.R. Soares

Mentor diz que viúva provocava MC Kevin com outros homens

Minha filha engravidou depois de quatro meses de convivência e ela sabia muitas coisas do Bruno. Eliza sabia demais e foi morta por queima de arquivo”, disparou a matriarca em entrevista ao canal “Na Real”, de Bruno Di Simone.

Antes, a veterana explicou: “Está tudo dentro do processo. O promotor Henry Wagner Vasconcelos de Castro mostra que o Bruno era garoto-propaganda do Nem (líder do tráfico da Rocinha, no Rio de Janeiro, na época) e tinha ligações com o tráfico de drogas e caça-níquel. Com certeza a minha filha sabia disso”.

Sônia também garantiu que a herdeira não teve apenas um romance de uma noite com o goleiro, como ele chegou a insinuar. “A Eliza não ficou grávida simplesmente por uma noite, Eliza não ficou grávida nessa orgia que o Bruno a expôs na sociedade. Existem provas anexadas das conversas entre os dois. E, em uma delas, ele fala de uma noitada de amor.”

Já sobre Bruninho, filho de Eliza com o goleiro – e que vive sob sua guarda -, Sônia revelou que o garoto tem conhecimento de que o pai tirou a vida da mãe. No entanto, não sabe dos detalhes. Para isso, ela guarda o processo, com mais de 10 mil páginas, caso um dia ele deseje se informar a respeito de tudo o que ocorreu.

“Tenho tudo guardado. Hoje, ele sabe que o pai matou a mãe, mas não sabe detalhes. Se ele quiser saber, eu vou mostrar, porque a verdade é sempre a melhor resposta. O que eu quero mesmo é que ele seja feliz”, afirmou.

Bruno, vale lembrar, foi condenado a 22 anos e três meses de prisão, mas ficou apenas 8 anos e 10 meses na cadeia, em regime fechado. Em 19 de julho de 2019, teve o regime semiaberto domiciliar concedido.










Close sidebar