Iozzi ironiza condenação em ação movida por Gilmar Mendes


  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © VIP
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © TV Globo
  • © Divulgação/Gshow
  • © TV Globo
  • © Divulgação
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Robson Moreira, Felipe Panfili, Luciana Monteiro, Gustavo Oliveira/Camarote BOA
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo


Monica Iozzi falou pela primeira vez sobre a sua condenação no processo movido pelo ministro do STF Gilmar Mendes. A atriz afirmou que não concordou com a justificava do magistrado responsável por sua sentença.

VOCÊ VIU? Fotógrafo é pivô de crise entre Neymar e Bruna, diz jornal

Eliana emociona fãs com primeira imagem da filha: “Feliz”

Gracy Barbosa mostra calos nas mãos para rebater críticos

Casamento de Rafinha Bastos chega ao fim após 13 anos

“O mais grave foi o juiz dizer: ‘Monica Iozzi, como uma pessoa pública, extrapolou sua liberdade de expressão’. Oi? Alguém me explica o que é extrapolar a liberdade?”, ironizou a artista à revista “Cosmopolitan”.

Conhecida por não ter papas na língua, a morena garantiu que não sofreu pressão da Globo para deixar de falar sobre política. “Nunca fui censurada. Alguns amigos me chamaram de louca. Mas o bacana de viver em uma democracia é poder levá-la para todos os lugares.”

Afastada das redes sociais, Monica pretende retornar em breve, mas com uma condição: “Preciso voltar a ter o mínimo de fé no ser humano primeiro”.

Para quem não sabe, Gilmar Mendes entrou com uma ação judicial contra Iozzi pelo fato de a artista publicar no Instagram o questionamento “cúmplice?”, acompanhado da legenda “Gilmar Mendes concedeu Habeas Corpus para Roger Abdelmassih, depois de sua condenação a 278 anos de prisão por 58 estupros”.

Para o juiz do caso, Monica “abusa do seu direito de liberdade de expressão”, por imputar ao ministro a cumplicidade do crime de estupro, “tornando questionável o seu caráter e imparcialidade na condição de julgador”.

A bela foi condenada a pagar R$ 30 mil de indenização ao veterano.



Close sidebar