Mauro Sousa denuncia ataque homofóbico: “LGBTfobia é crime”


© Instagram


Mauro Sousa fez questão de expor um dos seguidores do Instagram, nesta sexta-feira (14). O anônimo atacou o produtor com comentários homofóbicos, um dia após a criminalização desse tipo de preconceito.





VOCÊ VIU? Marquezine mostra mimos de Dia dos Namorados: “Mozão me deu”

Anitta comenta boatos de gravidez após parabéns de Roberta Miranda

Gloria Maria explica bronca em Maisa: “É de pequeno que se aprende”

Repórter da Globo é ‘cantado’ ao vivo durante telejornal

“A diferença entre ontem e hoje é que ontem ele era apenas mais um hater. Mas hoje, ele é um criminoso e pode ir para a cadeia. Não, eu não vou ficar calado”, escreveu o famoso.

Antes, ele havia levantado a possibilidade de criar um personagem gay para os quadrinhos de “A Turma da Mônica”. “Eu não quero mais aceitar que me chamem de viadinho. Só quem pode me chamar assim sou eu mesmo. E sim, a LBGTfobia agora é crime”, ressaltou.

Recentemente, o rapaz também virou assunto entre os internautas. Isso porque o pai, Mauricio de Sousa, compartilhou um registro dele junto com o atual companheiro, Rafael Piccin.

View this post on Instagram

Oi, seguiMores! Sabe… eu geralmente prefiro postar coisas legais e felizes, mas dessa vez, resolvi fazer esse post. Não para expor ninguém, mas para informar os mais desinformados. Em uma reportagem recente, eu comentei, sim, que havia planos de um personagem gay na Turma da Mônica e, por conta disso, o infrator fez o comentário homofóbico acima. A diferença entre ontem e hoje é que ontem ele era apenas mais um hater. Mas hoje, ele é um criminoso e pode ir para a cadeia. Não, eu não vou ficar calado. Não, eu nao quero mais aceitar que me chamem de “viadinho”. Só quem pode me chamar assim sou eu mesmo. E sim, a LBGTfobia agora, é crime. Beijos coloridos 😘🌈 #lovewins

A post shared by Mauro Sousa (@maurosousa) on



  • © Instagram

    Nego do Borel – antes da polêmica envolvendo a declaração transfóbica a Luísa Marilac – já havia entrado em conflito com a comunidade LGBTQ. Em 2018, o funkeiro lançou o clipe “Me Solta”, em que encarna a personagem Nega da Borelli, totalmente estereotipada e caricata, o que levou muitos a crerem que o artista se aproveitou da comunidade para lucrar. Ainda na produção, Nego beija um homem

  • © Facebook

    Ana Paula Valadão deu o que falar após promover um boicote à loja C&A, que divulgou uma linha de roupas sem gênero, ou seja, eram modeladas para o corpo tanto de homens quanto de mulheres. A comunidade LGBTQ, entretanto, foi atingida de fato quando a cantora gospel comparou homossexuais a alcoólatras, além de afirmar acreditar que suas músicas “curam os gays”, em entrevista à “Rede Super”

  • © Instagram

    Em 2008, quando estava grávida do primeiro filho, Davi, Claudia Leitte disse a Léo Áquilla que o herdeiro não seria gay, já que seria “bem criado”. “Deus me livre”, disparou Márcio Pedreira, marido da cantora, ao “TV Fama”, da RedeTV!, na ocasião

  • © SBT

    Ratinho causou polêmica ao usar o Instagram para comentar um episódio da minissérie “Entre Irmãs” (2017), da TV Globo. “Eu estava aqui vendo a novela da Globo, aquela coisa de cangaceiro e tal. Mas, poxa, a Globo colocou ‘viado’ até em filme de cangaceiro, gente? Naquele tempo não tinha ‘viado’, não. Você acha que tinha ‘viado’ naquele tempo? É muito ‘viado’: é ‘viado’ às seis da tarde, é ‘viado’ às oito da noite, é ‘viado’ às nove da noite, é ‘viado’ às dez da noite, é muito ‘viado’. Eu não sei o que está acontecendo, não tem tanto ‘viado’ assim. Ou tem? Será?”

  • © Instagram

    Azealia Banks costuma usar termos extremamente ofensivos à comunidade LGBTQ em suas brigas virtuais. Em 2015, por exemplo, a rapper chamou um comissário de bordo de ‘faggot’ [‘bicha’, em tradução livre], que é considerado o maior xingamento a um homossexual pelos falantes da língua inglesa

  • © Instagram

    Eminem, assim como Azealia Banks, também tem o costume de usar a palavra ‘faggot’. Desde o início da carreira, o rapper mantém a ofensa em sua lista de xingamentos. Em 2018, o artista chamou Tyler, The Creator de ‘bicha’ em um show

  • © TV Globo

    Bruno Gagliasso já teve postagens com conotação homofóbica publicadas no Twitter, em 2009. “No Natal todo mundo lembra do Papai Noel e esquece dos ‘viados’ que puxam o trenó”, escreveu em uma das publicações. A frase foi bastante criticada por usuários da web

  • © Instagram

    Envolvido em grande polêmica sobre racismo no período da Copa do Mundo 2018, Júlio Cocielo teve tuítes antigos de conteúdo preconceituoso contra mulheres, negros e travestis trazidos à tona. “Imagina você no Habib’s ser atendido por um ‘traveco’, sentar para comer ao lado de um ‘traveco’, receber entrega em casa feita por ‘traveco’ motoqueiro”, escreveu em uma das publicações, em que repete muitas vezes a palavra ‘traveco’ – considerada muito pejorativa por toda a comunidade LGBTQ

  • © TV Globo

    Carlos Vereza já fez uma análise da vida de um transexual ao jornal “O Povo”, em 2018. “Você tinha um trans a cada 15 anos, agora a cada dia da semana todo mundo virou trans e vai para o Paraguai operar, aí depois se arrepende porque o DNA não muda, o DNA do trans é do gênero que ele nasceu”, reclamou. Sobre homossexuais, o veterano disparou: “Eu amo o homossexual e odeio o lobby gay. Eu amo o pecador e odeio o pecado”

  • © Instagram

    Antes da polêmica envolvendo Fernanda Lima e o feminismo, Eduardo Costa já havia criticado a suposta “cartilha homossexual” para crianças do ensino público. “Agora, artista de música sertaneja preocupado com homofobia? Que homofobia! Em uma situação em que está o País, a crise financeira que nós estamos, o povo está preocupado com homofobia?”, disparou em um vídeo no Instagram

  • © SBT

    Silvio Santos já disparou diversos comentários de teor considerado preconceituoso ao longo dos anos. Em relação à comunidade LGBTQ, o veterano foi acusado de homofobia ao associar a palavra ‘bicha’ a Pabllo Vittar durante o “Jogo dos Pontinhos”, em seu programa no SBT

  • © Instagram

    Patrícia Abravanel já se envolveu em um polêmica envolvendo a comunidade LGBTQ durante participação no “Jogo dos Pontinhos”, do “Programa Silvio Santos”, do SBT. “Acho que a gente tem que ensinar para o jovem de hoje que homem é homem e mulher é mulher. E se por acaso ele tiver alguma coisa dentro dele que fale diferente, aí tudo bem. O que está acontecendo é que estão falando que tudo é bonito e o jovem acaba experimentando coisas que pode vir a se arrepender depois”

  • © Instagram

    MC Diguinho já comparou homossexualidade com estupro em uma entrevista ao “G1”. “A mídia manipulou os pensamentos onde um negro cantar funk é apologia ao estupro, agora beijo gay na novela das 8 é lindo e perfeito aos olhos do mundo, e vocês apoiaram essa ideia! Parabéns, Brasil”

  • Ângela Bismarchi já fez declarações polêmicas ao “Uol” e foi acusada de homofobia na web. “Hoje em dia, o homem beija o outro homem na boca, vai para a cama com seu igual e só falta engravidá-lo. E tudo isso na frente dos televisores de 200 milhões de brasileiros, como se fosse muito natural e sem tarja de censura para menores. Hoje em dia eu não sei mais definir o que é o homem, só sei que muitos estão querendo que ele seja uma mulher”

  • © Instagram

    Caio Castro foi acusado de homofobia após uma declaração sobre pegação à revista “Quem”, em 2012. “Se você não tem fama de pegador e é solteiro, fica com fama de ‘viado’. Então, antes pegador que ‘viado’, né?”

  • © Instagram

    Paulo Henrique Ganso foi acusado de homofobia após dizer que não tinha gays no São Paulo Sport Clube, “graças a Deus”

  • © Instagram

    Isabeli Fontana disse ao programa da apresentadora Hebe, em 2008, que não desejaria ter um filho homossexual. “A gente não tem que ter preconceito, mas filho meu eu não gostaria que fosse. É um mínimo preconceito. Eu adoro, tenho vários amigos gays, amo de paixão, mas filho meu, não [quero que seja]”

  • © Divulgação/SBT

    Mara Maravilha costuma usar a religião para condenar a homossexualidade. Ao “Morning Show”, da RedeTV!, a apresentadora usou um termo bastante ofensivo para se referir à orientação sexual de algumas pessoas. “Eu não concordo com essa aberração, com isso que as pessoas fazem para se promover, só pra ficarem na mídia. Eu mesma conheço vários gays que não querem ser mais ser gays, querem se curar e deixar isso de lado”, falou

  • © Instagram

    Rodrigo Minotauro já contou à revista “Trip” que não treinaria um lutador gay em sua academia. “Eu não treinaria com gay. Eu não tenho maldade, não acho aquele contato físico sexual. Mas vai que ele tem essa maldade de ter um contato físico comigo, de ficar ali agarrando…”

  • © SBT

    Myrian Rios relacionou homossexualidade com pedofilia em um vídeo divulgado no YouTube, em 2011. “O direito que a babá tem de querer ser lésbica, é o mesmo que eu tenho de não querer ela na minha casa. Vou ter que manter a babá em casa e sabe Deus até se ela não vai cometer pedofilia contra elas. E eu não vou poder fazer nada”

  • © Instagram

    Antonia Fontenelle detonou homossexuais em uma série de vídeos no Instagram, em janeiro deste ano. “Eu comentei em um vídeo que o Hugo Gloss postou, a respeito do namorado que pediu o Lulu em casamento. E eu achei muito bonitinho o jeitinho carinhoso dele. E eu comentei: ‘Ai, que bonitinho’, do fundo do meu coração. E aí eu comecei a ver agora um monte de marcação de um monte de gayzinho, viadinhos, mau caráter, agressivos, violentos, me achincalhando porque eu usei ‘bonitinho’”

  • © Instagram

    Miro Moreira se irritou com os boatos de teria um caso com Reynaldo Gianecchini. Ao portal “R7”, disparou: “Não sou amigo íntimo dele, não tenho telefone dele. Não sou gay e nunca tive nenhum caso com o Gianecchini. Meu negócio é outro. Gosto é de mulher, graças a Deus”

  • © Instagram

    Joelma também foi uma das artistas que comparou a homossexualidade a doenças e revelou acreditar em uma possível cura. “Já vi muitos se regenerarem. Conheço muitas mães que sofrem por terem filhos gays. É como um drogado tentando se recuperar”, disse à revista “Época”

  • © Divulgação

    Agnaldo Timóteo já fez uma declaração polêmica sobre a comunidade LGBTQ ao “Superpop”, da RedeTV!. “Ver dois homens de mãos dadas ou se beijando na rua é uma agressão. Tem que fazer as coisas só entre quatro paredes”

  • © Divulgação

    Ronnie Von deixou muitas travestis chateadas ao fazer uma análise sobre a televisão atualmente. “Hoje, a televisão vai por um caminho muito equivocado. Com algumas exceções, a televisão partiu para a escatologia, a pornografia, para o desfile de travestis! Eu não tenho talento para fazer isso”

  • © Instagram

    Aline Barros foi acusada pela backing vocal Rejane Silva de Magalhães de homofobia, após ser demitida sem nem aviso prévio. De acordo com o jornalista Leo Dias, a funcionária revelou que a cantora gospel não aceitou sua orientação sexual. Ao “Mariana Godoy Entrevista”, da RedeTV!, a artista declarou que “não concorda com a prática” dos gays

  • © Instagram

    50 Cent fez declarações assertivas sobre não gostar de gays, em 2004, à “Playboy”. “Não sou preconceituoso, só não gosto de gays em volta de mim, não temos nada em comum, prefiro caras heterossexuais”, destacou

  • © Divulgação

    Ziraldo atacou Fernanda Montenegro pelo beijo lésbico em Natália Timberg na novela “Babilônia” (2015), da TV Globo. “A Fernanda Montenegro não tem direito de fazer apologia do afeto homossexual. Grandes fãs dela estão estarrecidos com isso. E mesmo que ela estivesse pensando em ajudar as mães dos homossexuais… Mas qual é a porcentagem de mães de homossexuais? O problema da homossexualidade é que ela está hiperdimensionada. A TV Globo acha que está fazendo um grande serviço ao ‘modus vivendi’, ao dar chance aos homossexuais de assumirem a sexualidade deles”, afirmou ao “Hoje Em Dia”, da Record

  • © Facebook

    Apesar de ser homossexual, Angela Ro Ro foi acusada de preconceito com o público LGBTQ e de racismo, após xingar o público e funcionários de um show com as palavras “viadinhos”, “bichinhas” e “caboclinhos”. A denúncia foi feita pela advogada Luanna Marley através do Facebook, em 2015

  • © Divulgação

    Carlinhos Maia é outro artista gay acusado de homofobia. Em 2018, o “Rei do Instagram” se envolveu em uma briga com RomaGaga após afirmar não ter nada contra Jair Messias Bolsonaro – então candidato à presidência do Brasil. O influencer declarou que, apesar dos comentários odiosos ao público LGBTQ, o político não se incomodaria com os ‘viados’ em seu mandato. Após isso, RomaGaga detonou o famoso, que rebateu com duras palavras e acusou a loira de querer apenas aparecer

  • © Instagram

    Alexandre Frota é frequentemente acusado de homofobia por suas polêmicas declarações. No entanto, o famoso, para quem não sabe, já chegou a contracenar com travestis em produções pornográficas

  • © YouTube

    Stefano Gabbana, da grife Dolce & Gabbana, foi outro famoso acusado de homofobia, apesar de ser homossexual. O estilista revelou que não concorda com adoção e fertilização in vitro por casais LGBTQ, além de revelar que não gosta de ser chamado de gay, em 2015. “Biologicamente sou um homem. A palavra gay foi inventada por aqueles que precisam etiquetar as pessoas e eu não quero que me identifiquem pela minha orientação sexual”

  • © Instagram

    Cardi B chegou a defender o marido, Offset – do grupo Migos -, após o rapper ser acusado de homofobia por um verso polêmico na música “Boss Life”, em que diz que não pode se divertir com ‘viados’

  • © Instagram

    Don Omar, dono do hit “Kuduro”, foi acusado de homofobia após usar a foto de um pato [que é uma forma de chamar outra pessoa de gay em Porto Rico] para alfinetar o rapper Ozuna, que teve um suposto vídeo íntimo com um rapaz vazado na web. “Pausa para o almoço. Algum de vocês come pato? Eu, não”, ironizou no Instagram

  • © Instagram

    Kevin Hart se envolveu em uma grande polêmica ao ser anunciado como apresentador do Oscar 2019. Uma série de tuítes do passado, de teor homofóbico, foi resgatada de suas redes sociais. O comediante foi afastado da premiação após a grande repercussão

  • © Instagram

    Snoop Dogg já foi acusado de homofobia após compartilhar clique de um casal gay se beijando em seu Instagram, em 2014. “Vá ch#$@% o seu homem e sai da minha timeline”, escreveu na legenda do clique. Em 2018, o rapper usou a foto de uma babá transexual para ridicularizá-la, também na rede social de cliques. “Que me#$@ é essa?”, questionou

  • © Divulgação

    Em sua curta carreira, o rapper XXXTentacion, morto com 2018, costumava ofender homossexuais em suas músicas. Em uma delas, revelou que bateu em um gay até quase matá-lo, além de usar sempre a palavra ‘faggot’

  • © Divulgação

    O rapper Rick Ross criticou o cabelo de Tekashi 6ix9ine em seu verso na música “What’s Free”, de Meek Mill. O artista foi mais um dos que usou o termo ‘faggot’ para se referir a alguém

  • © Instagram

    Henri Castelli foi acusado de homofobia pelo youtuber Luciano Sicchierolli, no Rock in Rio, em 2017, após o rapaz lhe pedir para tirar uma foto. O influencer contou que o artista solicitou que ele “pelo menos tentasse fazer pose de homem para tirar a foto”

  • © Instagram

    Dona de um fã-clube predominantemente LGBTQ nos anos 2000, Perlla disparou alguns comentários considerados homofóbicos pelos seus admiradores durante sua fase gospel

  • © Instagram

    Humberto Martins causou polêmica ao explicar à revista “Quem” que não interpretaria um personagem homossexual na televisão, já que foi policial em mais de 10 folhetins. “Como pegar um cara assim e fazer dele uma bicha?”, questionou