Mulher de Robin Williams revela que ator sofria de demência: “Não foi depressão que o matou”




Um ano e três meses após a morte de Robin Williams, a viúva do ator afirmou que o astro de Hollywood não se suicidou por causa de um forte depressão, como fora divulgado.





“Não foi depressão que matou Robin. A depressão foi, digamos, um dos 50 sintomas e um dos menos importantes, por sinal”, garantiu Susan Willians à revista “People”.

A ex-companheira do veterano revelou que o marido era portador de um tipo de demência conhecida como Corpos de Levy. A doença neurodegenerativa progressiva é causada pelo acúmulo de proteínas anormais nas células do cérebro e causava alterações no estado mental de Willians fazendo com que o famoso tivesse alucinações, picos de ansiedade e dificuldades para se locomover.

Susan contou ainda que o comediante começou a sofrer com os sintomas da enfermidade meses antes de morrer, mas os médicos só conseguiram fazer o diagnóstico durante a necropsia.



“Hoje, tenho certeza que o time de médicos estava fazendo exatamente as coisas certas. O problema é que a doença foi simplesmente mais rápida e maior do que nós todos. Nós teríamos conseguido descobri-la em algum momento”, avaliou.