Murilo Rosa é investigado por venda de ingressos falsos


  • © Instagram
  • © Twitter
  • © Divulgação/Band
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © SportTV
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo


Murilo Rosa se tornou alvo de uma investigação da polícia do Rio de Janeiro, por ter vendido um par de ingressos falsos a um advogado, no último sábado (20). As entradas foram negociadas por R$ 1,5 mil e dariam acesso à final do futebol masculino – que resultou em medalha de ouro para a Seleção Brasileira.

VOCÊ VIU? Claudia Leitte é “confundida” em festa olímpica

O homem explicou que estava com o filho e só aceitou negociar porque o ator é famoso. “Ele estava com a mulher e disse que tinha comprado cada ingresso por R$ 1 mil. Disse que só tinha R$ 1,5 mil e ele aceitou […] Quando chegamos à porta, fomos barrados. Disseram que eram falsos. Não deu para acreditar. Ao invés de ver o jogo, passamos horas na delegacia”, disse ao jornal “Extra”.

O famoso, por sua vez, garantiu que também foi enganado e não teve a intenção de aplicar um golpe no advogado. O moreno, que estava acompanhado da esposa, Fernanda Tavares, decidiu se desfazer das entradas porque ganhou cortesias da promoter Carol Sampaio. “Eu comprei esses ingressos por R$ 2 mil no Parque Olímpico, de um homem que me pareceu bem apessoado”, explicou.

E continuou: “Um parente meu me passou o contato. Só me pareceu um pouco afoito, mas estava com a mulher. Então, comprei. Mas a Fernanda descobiu, depois, que os ingressos eram para lugares separados […] Fiquei meio constrangido de vender, mas tinha muita gente querendo ingresso. Aí decidi vender. Nunca ia imaginar que eram falsos”.

Segundo o blog da jornalista Keila Jimenez, o artista será ouvido pela polícia e depois será decidido se ele responderá por estelionato. O caso foi registrado na 18ª DP e a pena para este tipo de crime pode chegar a dois anos e oito meses de prisão.



Close sidebar