Nos EUA, Carolina Dieckmann produz máscaras para doação


© Instagram


Carolina Dieckmann vive em Miami, nos Estados Unidos, e teve a ideia de produzir máscaras para se proteger da pandemia do coronavírus e ajudar o próximo. Ela e uma vizinha, também brasileira, resolveram confeccionar o item porque já não encontravam mais o acessório à venda.





VOCÊ VIU? Com a Covid-19, Felipe Simas desabafa: “Dias difíceis” 

Justin Bieber diz ter nomes para os filhos e enlouquece fãs

Tatá Werneck desabafa sobre pós-parto: “Chorei duas semanas”

Manu Gavassi supera Boca Rosa e bate 12 milhões de seguidores

“No começo desta pandemia, muitos especialistas diziam que quem não estivesse doente, não tinha necessidade de usar máscaras. Então, não me preocupei em comprá-las. De repente, começaram a noticiar que era melhor todo mundo usar máscaras mesmo. Daí acabaram os estoques de máscaras em todos os lugares. Vendo posts de como fazer máscaras caseiras, pensamos em fazer as nossas. Cortamos os lençóis 100% algodão que tínhamos em casa e começamos a costurar as nossas próprias máscaras. Nisso veio a ideia de doá-las também para as pessoas, que assim como a gente, não tinham conseguido comprá-las”, contou a atriz, em entrevista para a “Quem”.

Até o momento, cem máscaras foram produzidas e serão doadas para duas instituições que cuidam de idosos e mães em situações de vulnerabilidade. Além de costurar algumas peças, Carol ficou responsável por fazer os desenhos e escrever frases motivacionais nos acessórios.



“Minha vizinha Cris e a amiga dela Verônica, que está passando uma temporada aqui por causa do coronavírus, me ajudaram nesta empreitada. Ela tinha uma máquina de costura e decidimos que já que estávamos passando a quarentena juntas, poderíamos trabalhar nisso. Costurei algumas no primeiro dia e depois fiquei mais nesta função de pintá-las. A Cris ficou com a costura e Verônica tem passado o cadarço nas máscaras. Costuramos umas cem máscaras, mas queremos fazer mais”, explicou.



A loira ainda revelou que aprendeu a costurar com a avó. “Sei costurar muito pouco. Me saio melhor costurando à mão do que com a máquina. O pouco que sei, aprendi com a minha vó, que sempre fez muitas roupas para a gente, quando criança. Eu a ajudava a pregar um botão e finalizar algumas coisas. Então, alguma coisa eu seu fazer, mas é muito pouco. Não sei fazer uma roupa, por exemplo.”, afirmou.