Preta Gil desabafa sobre ataques racistas na web: “Chocada”


  • © Divulgação
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Francisco Silva/AgNews
  • © TV Globo
  • © Facebook
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © AgNews
  • © Karine Basílio/Revista Estilo/Divulgação
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Instagram
  • © AgNews
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Instagram
  • © Karine Basílio/Revista Estilo/Divulgação
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © AgNews
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Divulgação/TV Globo
  • © AgNews
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo


Depois de Taís Araújo, Maria Júlia Coutinho, Cris Vianna e Ludmilla, Preta Gil se tornou a nova vítima de ataques racistas na internet. Na madrugada desta terça-feira (26), a cantora usou suas redes sociais para desabafar e lamentar que este tipo de situação ainda aconteça.





VOCÊ VIU? Aos 41 anos, Preta Gil quer outro filho: “Pode acontecer a qualquer momento”

“Meu Facebook foi atacado por um grupo intitulado #MM. Estou em estado de choque. Chocante! Racismo é crime. Será que eles não sabem ainda? O mais triste é que a maioria é criança e já com tanto ódio no coração”, disse em seu Snapchat.

Pouco tempo depois, em um longo texto no próprio Facebook, a famosa ressaltou que o preconceito não é uma novidade e convive com ele desde a infância. “Sou filha da mistura. Nasci em um país miscigenado, tenho em mim o sangue indígena dos meus tataravós, sangue negro do meu pai, sangue branco da minha mãe e um coração repleto de amor e orgulho pelas minhas origens. Além do nome, sempre convivi com o fato de ser diferente aos olhos da maioria.”

Aos 42 anos e vovó da pequena Sol de Maria, Preta não se intimidou e disse que lutará por justiça e para que os envolvidos sejam identificados.



“Uns atacaram minha cor, meu trabalho, meu corpo, outros tentando fazer piadas de péssimo gosto apenas para tentar me denegrir ou magoar. Agiram em bando, são organizados e cruéis. São covardes. Vou me defender em meu nome e de quem mais se sentiu ultrajado com essa verdadeira doença social. Essa epidemia de desamor e ódio que se alastra e atinge a todos. Estou cansada dessa impunidade, dessa onda de ódio, de gente que escreve o que quer para atacar a quem está quieto. Quero justiça!”, completou.