Repórter pode ser presa após defender legalização da maconha


© TV Globo


A repórter norte-americana Charlo Greene, que se demitiu ao vivo para lutar pela legalização da maconha, poderá passar décadas na prisão. Depois de ser acusada de 14 crimes, a jornalista corre o risco de pegar 54 anos de cadeia.

VOCÊ VIU? Candidata à Prefeitura do RJ acusa Globo de “apoiar o golpe”

A apresentadora revelou que era dona do Alasca Cannabis Club – uma organização que ajuda pacientes que precisam da erva para tratamento médico. Por causa do clube, a profissional começou a ser investigada e foi acusada de “má conduta envolvendo uma substância controlada”.

O uso recreativo da maconha no Alasca é legalizado desde fevereiro de 2015. No entanto, o clube estava operando antes da regulamentação entrar em vigor, segundo o jornal “The Guardian”.

“Você quase fica tonto quanto tenta entender isso. Isso pode literalmente me custar o resto da minha vida adulta”, desabafou Greene.

O julgamento está previsto para ser realizado nos próximos meses.



Close sidebar