Sula Miranda fala sobre suicídio do primeiro marido: “Fui humilhada e julgada”


© Manuela Scarpa/Photo Rio News


Sula Miranda está lançando sua autobiografia, “De Rainha a Serva de Deus”, para comemorar 30 anos de carreira. No livro, a eterna “Rainha dos Caminhoneiros” lembrou do suicídio de seu primeiro marido em 1990. Na época, a cantora estava no auge do sucesso.





Veja também:

Aos 52 anos, Sula Miranda diz que sempre cuidou do corpo e revela: “Fiquei neurótica”

O empresário Luis Flávio Rocha se matou com um tiro na cabeça com uma arma que havia comprado semanas antes da tragédia.

“Ele estava alcoolizado. (…) Passados alguns minutos, ouvi o tiro e corri para a sala onde ele estava. (…) Quando o vi imóvel, cheguei inclusive a fazer respiração boca a boca, eu não tinha percebido o tiro em sua cabeça. Os peritos me disseram depois que talvez a arma tivesse disparado sem querer, por um descuido”, relatou.



A irmã de Gretchen revelou que o momento foi muito duro. Além de perder o companheiro, a artista teve que lidar com o afastamento de pessoas muito próximas que a condenaram pela fatalidade.



“Fui humilhada e julgada pelas pessoas, e como tinha grande destaque na mídia, senti-me invadida, desprotegida e solitária. Foi naquela hora que muitos ditos ‘amigos’ se afastaram de mim”, diz em outro trecho do livro.

A veterana contou ainda que passou por problemas financeiros quando entrou em um período de recessão no trabalho e que as dificuldades acabaram promovendo sua conversão.

“Pude resgatar meu lado dona de casa e cuidar detalhadamente de tudo que tenho. Passei a fazer faxina, cuidar da roupa e redescobri o prazer de cozinhar para o meu filho. É ai que está a diferença: como você encara as dificuldades.”