Anitta faz revelação à TV americana: “Não estudei música”


  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram
  • © Instagram


Anitta concedeu uma entrevista à TV americana “ABC News” e contou um pouco sobre sua trajetória. Durante o bate-papo, a apresentadora Rebecca Jarvis afirmou que a cantora fez sucesso após se formar em cursos técnicos de música. Porém, a artista respondeu que o pontapé inicial não foi bem assim.





VOCÊ VIU? Day McCarthy foi presa por prostituição, segundo polícia

Nasce o nono neto de Silvio Santos em São Paulo

Anitta sobre casamento com Thiago Magalhães: “Estou feliz”

Após mais de 30 anos, Malu Mader pode perder vaga na Globo

“Eu não estudei música tanto assim porque no Brasil é difícil. Se você não nasceu rico, é difícil aprender inglês, música, arte, tudo, para ser honesto. Nós não temos muita oportunidade no país se não tiver recursos. Minha música, a maneira de cantar, como fazer, eu aprendi cantando na igreja, com meu avô”, destacou a diva.

A funkeira explicou que sempre sonhou em ser cantora, mas acabou optando pelo curso de Administração, que a ajuda hoje em dia a comandar a própria carreira e a estabelecer contratos no exterior, como o que fez com o empresário John Shahidi, que a acompanhou na entrevista.

Apesar da experiência, a famosa revelou que enfrentou muitos desafios ao adaptar o funk, devido ao perfil do público brasileiro: “Peguei a batida do ritmo e comecei a cantar letras que falam de mulheres poderosas. O meu país é meio conservador. Você precisa ser uma namorada, uma esposa, ter filhos, e ser uma boa garota. Eu quero falar e fazer o que eu quiser”.



Anitta ainda aproveitou a conversa para exaltar a liberdade. “Quero explicar para as pessoas que não é porque você é sensual que você não é inteligente, que não é porque você quer beijar 10 caras em uma semana que não é esperta. O feminismo no Brasil existia, mas era mais no sentido de igualdade de direitos, de leis, salários”, ressaltou.