Clássicos do Sepultura animam show de góticos portugueses do Moonspell


© Márcio Cassol/ Famosidades


Portugal também tem heavy metal, como ficou conhecendo o público do Palco Sunset nesta sexta-feira (25). A sonoridade sombria e poética do Moonspell foi atração do quinto dia do festival, unindo seu repertório gótico com a participação especial do americano Derrick Green, vocalista do Sepultura.

Pela primeira vez no Rock in Rio em terras brasileiras, o Moonspell prometeu um show que apresentasse um pouco das duas décadas de carreira da banda. Assim, o show dos portugueses começou com “Breathe (Until We Are No More)”. Mas logo os estrangeiros precisaram oferecer algo que o público reconhecesse mais facilmente.

Bem conhecido dos fãs brasileiros, Green surgiu logo na segunda música da apresentação, para ajudar o Moonspell com “Extinct”, música do repertório dos portugueses. O americano do Sepultura foi ao palco vestido de preto, assim como os anfitriões da apresentação, no entanto com roupas bem mais leves dos que as de Fernando Ribeiro, vocalista da banda europeia.

Ribeiro anunciou que Green voltaria mais adiante ao longo da apresentação e deu sequência ao repertório do Moonspell. “Opium”, sucesso dos anos 90, foi uma das escolhas que mais agradaram a turma do metal que foi ao Palco Sunset nesta sexta. Foi também a primeira música da tarde com alguns versos em língua portuguesa.

O vocalista deu um tempo no inglês para se comunicar com o público na língua que une o Moonspell e os brasileiros. Ribeiro afirmou que era uma honra para o grupo se apresentar pela primeira vez no Rio de Janeiro, depois de muito tempo de espera.Green então voltou ao palco ovacionado pelo público, que gritava por Sepultura. Mas os portugueses mandaram mais uma de seu repertório, desta vez na língua do público do Rio, com “Em Nome do Medo”.

Aí foi a vez de fazer a vontade do público, deixando Green cantar um clássico do Sepultura, com “Territory”. Ribeiro se esforçou para acompanhar o tom do americano e não fez feio. Em seguida o convidado levou os fãs ao delírio com “Roots Bloody Roots”.

Com a missão cumprida através da voz de Green, o Moonspell foi para o trecho final da apresentação nas graças do público. Tanto que a galera entrou no clima e ajudou os portugueses a executaram a fantasmagórica “Vampiria”. Depois de “Alma Mater”, grande clássico da banda, e de algumas palavras simpáticas de agradecimento, o desfecho da apresentação veio com “Full Moon Madness”.



Close sidebar