Em primeiro e último show no Brasil, Mötley Crüe emociona fãs no Palco Mundo do Rock in Rio


  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades
  • © Márcio Cassol/ Famosidades


Uma das maiores bandas do mundo do hard rock, o Mötley Crüe entrou no Palco Mundo na noite deste sábado (19) para a penúltima apresentação do segundo dia de Rock in Rio. Para os fãs, talvez o show mais importante, uma vez que a banda anunciou que está em sua turnê final.





Apesar disso, o grupo não vai simplesmente acabar. O vocalista da banda, Vince Neil, já havia afirmado que os integrantes continuarão trabalhando em canções novas para outros projetos. Apenas não sairão mais em turnê. De qualquer maneira, isso tornou a apresentação na Cidade do Rock a mais importante para muita gente que ainda não havia acompanhado os rapazes antes. Foi a primeira vez no Brasil.

Logo para começar, a canção inicial tocada foi “Girls, Girls, Girls”, um dos maiores sucessos do grupo e que faz parte do álbum de mesmo nome, lançado em 1987. E para melhorar – ao menos para os homens da plateia -, duas garotas com roupas bem anos 80 entraram em cena para sensualizar durante a performance.

“Wildside” e “Primal Scream” ganharam espaço em seguida. Outras duas canções adoradas pelos fãs. “Same Ol’ Situation (S.O.S)” também foi ovacionada pelo público presente. “Smokin’ in the Boys Room”, trabalho que tem 30 anos, manteve a animação da galera.



Porém, mesmo com grandes sucessos, o Mötley Crüe parecia manter a energia dos fãs mais pela rica história no rock do que propriamente por esse show. Sem muita interação, o grupo seguiu, basicamente, um roteiro. Com um básico bem feito, não gerou críticas, mas não conseguiu fazer um show explosivo.



Em “Looks That Kill”, Vince passou a conversar um pouco mais com a plateia, se aproximando da grade. Ainda foi executado um cover de “Anarchy In The UK”, sucesso dos britânicos do Sex Pistols, grupo ícone do punk.

Em seguida, em “Shout at the Devil”, música que leva o nome do disco de 1983, o baixista Nikki Sixx usou um lança-chamas junto ao seu baixo, proporcionando um belo momento e esquentando, literalmente, o clima. Em “Livewire”, Vince, finalmente, foi para a galera, cumprimentou alguns fãs e, mesmo que por apenas alguns segundos, deu ao público a chance de ficar pertinho dele.

Logo depois da apresentação de “Feelgood”, o vocalista retribuiu o carinho e disparou: “Rio! Nós vamos sentir saudades”. Entrou, então, o coro vindo da plateia, cantando o nome da banda. Nikki ainda surpreendeu um fã e, antes de sair do palco, chamou o rapaz e lhe deu seu baixo usado no show.

Poucos minutos depois de saírem do palco principal, o baterista voltou para tocar piano na última canção, “Home Sweet Home”. Ao final, Vince Neil estava visivelmente emocionado. De qualquer forma, um show inesquecível para o público, que não verá mais uma apresentação da banda no Brasil.

Vale lembrar que um documento foi assinado por cada integrante, que os impede de voltar a fazer shows. A última apresentação do Mötley Crüe acontecerá no dia 31 de dezembro, na cidade de Los Angeles – onde o grupo começou a carreira -, nos Estados Unidos.