Ex-Br’oz comprova na Justiça que não agrediu Li Martins


© Instagram


Acusado de ter agredido Li Martins enquanto ainda eram casados, Matheus Herriez comprovou na Justiça sua inocência. Em 2016, o ex-integrante do Br’Oz ainda processou a ex por calúnia e difamação.





VOCÊ VIU? Confinada em “A Fazenda”, Andréa Nóbrega tem contas bloqueadas

Climão? William Waack voltará a gravar com Cris Dias

Anitta vive ‘affair’ com dançarina que já se relacionou com Scooby

Gabigol curte festa com Anitta após ‘briga’ com Rafaella Santos

Para quem não se lembra, o caso veio à tona no fim de 2015 quando Pâmela Martins, irmã da cantora, denunciou o então cunhado pela suposta agressão. A famosa confirmou ter apanhado, após deixar “A Fazenda”, da Record.

Na época, a ex-integrante do Rouge havia se envolvido com João Paulo Mantovani no reality show rural. Com o antigo parceiro, teve um casamento de 9 anos que chegou ao fim por causa da polêmica.

“Quando a Patrícia [como ficou conhecida Li] me traiu publicamente na ‘Fazenda’, a assessoria dela me procurou pedindo que eu falasse na imprensa que o nosso casamento estava em crise e que mantínhamos um relacionamento de fachada. Eu disse que não faria isso, embora eles achassem que eu faria para não sair como traído”, recordou Matheus ao jornal “O Dia”.



E continuou: “Então eles começaram a me pressionar, foi quando saí do radar de todos e fiquei em silêncio até agora. Eu até imaginei que eles inventariam alguma traição minha ou algo parecido para desviar o foco da traição dela em rede nacional, mas nunca passou pela minha cabeça que inventariam uma agressão”.



O rapaz ainda detalhou que, no período em que o assunto viralizou, Pâmela morava com eles em São Paulo e era muito próxima. “Estávamos ajudando a se restabelecer de uma separação. Tanto que ela me acompanhava nos meus shows e eventos.”

O famoso reuniu provas e conseguiu comprovar que não agrediu Liz. De acordo com a publicação, a moça fez um acordo com o Ministério Público para suspensão condicional do processo. Já sua irmã foi condenada por calúnia e difamação e pode recorrer da decisão.