Ex Twister sobre cantar no metrô: “Mais feliz que antes”


© Divulgação


Flagrado cantando no metrô de São Paulo, na última segunda-feira (4), Sander Mecca, ex-Twister, contou que tem se apresentado no transporte público para complementar sua renda. O artista, porém, garantiu não ficar nem um pouco envergonhado com o trabalho.

VOCÊ VIU? Thais Fersoza mostra quarto do segundo filho na web

Namorada de astro teen, youtuber famosa é encontrada morta

Em “A Força do Querer”, Ritinha cometerá crime com Bibi

Ex-BBB Munik reclama de noivo em rede social: “Egoísta”

“Prefiro o que faço agora. Estou mais feliz do que antes. Passo a cartola sem vergonha nenhuma. As pessoas recebem bem, algumas me reconhecem. Mas, às vezes, no fim da tarde, você pega gente que nem tira o fone de ouvido. Vou pronto para receber qualquer tipo de pessoa. Há três meses uso os shows no metrô como divulgação do EP e como renda“, relatou o famoso ao “G1”.

O músico destacou que não trabalha só no transporte público: “Faço outros shows em lugares pequenos, como na Vila Madalena e em Pinheiros. Mas o trabalho no metrô é mais lucrativo do que depender de couvert. Com a crise, o pessoal não tem saído de casa e é difícil ter shows cheios”.

Em 2003, Sander chegou a ficar preso por um ano e nove meses, acusado de porte de drogas. Porém, ele aprendeu a se reerguer. “Tive minha fase difícil e tensa. Mas tudo constrói o artista e a pessoa que sou hoje. Pensei: ‘Por que não ir para a rua, no metrô?’. Achei interessante e fui incentivado por amigos. Pedi dicas e fui aprendendo. Tem o horário certo, o trecho certo. Aprendi que tem que cantar antes da estação Consolação, quando todo mundo sai.”

E completou: “Hoje prefiro cantar o que eu e meus amigos compomos, dando um recado muito mais autêntico. O Twister foi divertido, aprendi muito, mas a gente era garoto, longe de ter identidade”.



Close sidebar