Kesha perde mais uma batalha judicial contra gravadora e Dr Luke nos EUA


© Instagram


Kesha perdeu, na última quarta-feira (6), mais uma batalha contra a gravadora Sony Music no tribunais. A famosa teve seu pedido de cancelamento de contrato com a empresa e com o produtor Dr Luke negado por um juiz de Nova York, nos Estados Unidos.





Veja também:

Ex-segurança acusa Elton John de assédio sexual

Em março, a cantora já havia apelado para a Suprema Corte de Nova York e teve seu pedido de liberação do vínculo de seis álbuns com a gravadora igualmente negado pela juíza Shirley Werner Kornreich. Em fevereiro, a magistrada tinha dado como alternativa que a famosa gravesse os discos com outros produtores, sem a participação de Dr Luke – uma vez que o profissional também foi acusado pela loira de estupro e abuso emocional.

Além disso, a juíza argumentou que as acusações contra Luke não eram válidas para cancelar seu contrato com a companhia, de acordo com as leis do estado, e que os ocorridos alegados estavam fora da jurisdição de sua corte.



No Instagram, a artista fez um desabafo: “Ofereceram para mim liberdade se eu mentisse. Eu teria que pedir desculpas publicamente e dizer que nunca fui estuprada. Isso é o que acontece nos bastidores. Eu não irei retirar a verdade. Eu prefiro deixar a verdade arruinar minha carreira do que mentir por um monstro outra vez”.



Kesha, vale destacar, tem recebido apoio de outras cantoras. Taylor Swift, Miley Cyrus, Adele, Ariana Grande e Lady Gaga se posicionaram a favor da jovem. Além disso, as celebridades iniciaram na web a campanha #FreeKesha – libertem Kesha, em tradução livre.