Salgadinho comenta parceria musical com Ronaldinho Gaúcho


© Base 90


Ex-vocalista do grupo Katinguelê, sucesso nos anos 90, o cantor Salgadinho tenta ver de maneira positiva as mudanças que a pandemia do coronavírus trouxe em 2020. Apesar disso, aos 50 anos de idade e mais de 30 de carreira, o cantor sente falta do público e dos shows.





VOCÊ VIU? Maria Fernanda Cândido analisa papel em “A Força do Querer”

Malvino Salvador testa positivo para a Covid-19

Monica Benini explica por que retirou as próteses de silicone

Regiane Alves revela o desejo de fazer nova vilã na TV

“Gosto de ficar em casa, cuidar das plantas e curtir a família. Admiro muito a beleza das plantas e nesse período da pandemia pude cuidar mais delas. Às vezes, passo o dia inteiro e nem senti o tempo [passar]”, contou o paulista, em entrevista com a “Quem”.

Casado com Eleni Lopes e pai de três filhos, Paulo Victor, Vitória e João Pedro, Salgadinho falou sobre o sucesso com o pagode na década de 1990 – são dele hits como “Recado a minha amada (Lua Vai)” e “Inaraí”.

“Meu público mais velho era adolescente quando surgi na mídia e a galera mais nova que vai aos shows”, afirmou Salgadinho.



Durante a quarentena, o músico se aventurou como professor e lançou a Jornada do Cavaquinho, aulas on-line do instrumento musical, com dicas gratuitas no YouTube.



Recentemente, Salgadinho lançou o single “Chutando o Balde”, e comentou sua parceria com o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho, que voltou ao Brasil em agosto de 2020, após quase seis meses preso em Assunção, no Paraguai, por uso de documento falso.

“Ronaldinho é um cara que leva tudo numa boa. Nesses tempos, ele esteve no Paraguai com aqueles problemas todos e ele levou de boa”, afirmou, revelando que se encontrou virtualmente com o jogador para fazer as composições.