Só com clássicos, Rolling Stones levanta Morumbi mesmo debaixo de chuva


  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Manuela Scarpa/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News
  • © Rafael Cusato/Brazil News


Sessenta mil pessoas puderam presenciar porque os Rolling Stones seguem levando multidões para seus shows, não importando a idade ou geração. Com a presença de setentões, sessentões ou até mesmo adolescentes, a banda inglesa fez sua segunda apresentação no Brasil na noite de quarta-feira (24), no Morumbi.





Mick Jagger, Keith Richards, Ron Wood e Charlie Watts voltam ao estádio do São Paulo, no próximo sábado (27). A última apresentação da Olé Tour no País será no dia 2 de março, em Porto Alegre.

Nem mesmo a chuva espantou a energia do público. Após uma boa apresentação dos Titãs, a plateia mostrou-se animada com a presença dos Stones pela terceira vez na capital paulista. O que diferencia esta turnê das anteriores dos ingleses por estas bandas é que o repertório foi todo focado no que o grupo tem de melhor, em mais de 50 anos de estrada. Sem a necessidade de promover um álbum, como ocorreu em 1995, 1998 e 2006, os Stones deram ao público somente o que eles queriam: hits.

Como sempre, “Start Me Up” (do álbum “Tatto You”, de 1981) foi a primeira música das 19 a serem executadas. Para satisfação da plateia, outros clássicos estavam no setlist: “Gimme Shelter” (“Let It Bleed”, 1969), “Sympathy For The Devil” (“Beggars Banquet”, 1968), “Jumpin’ Jack Flash” (“Through the Past, Darkly” , de 1968), “Brown Sugar” (“Hot Rock”, 1971) e “(I Can’t Get No) Satisfaction” (“Out Of Our Heads”, 1965).



Na escolha do público, “Bitch” (“Sticky Fingers, 1971) derrotou “All Down the Line”, “Rocks Off” e “Shattered” pela votação on line.



Assim como ocorreu no show do Rio de Janeiro, no último sábado (20), “You Can’t Always Get What You Want” teve a presença de músicos brasileiros. Desta vez o escolhido foi o Coral Sampa, das regentes Thelma Chan e Maru Ohtani, que mostrou muita competência para acompanhar Jagger.