Jessika Alves vive sua primeira vilã em “Gênesis”


© Blad Meneghel/Record TV


Jessika Alves vive a sua primeira vilã, Shakia, na novela “Gênesis”, na Record TV. A atriz falou sobre este novo desafio na carreira e deu detalhes da personagem.





VOCÊ VIU? Jair Oliveira e Tania Khalil lançam projeto com Broadway Kids

“O Salvador da Pátria” está de volta no VIVA

“Precisei morrer para acordar”, diz Demi Lovato sobre drogas

Felipe Neto celebra suspensão de queixa-crime de Bolsonaro

“Shakia é uma vilã, mas eu não gosto muito desse estereótipo de colocar em caixinhas, porque ela ressignificou o que aconteceu com ela de uma forma não positiva e chegou em uma vingança”, explicou.

“Ela passa a fase inteira em busca desse objetivo, essa vingança é o que move ela, através das pessoas que a magoaram profundamente. Ela não tem família, então, foi criada dentro do castelo e foi treinada para ser uma das sacerdotisas. A personagem acaba descobrindo que todo mundo mentiu pra ela a vida inteira e é isso que desenvolve o sentimento de vingança e ódio”, completou.

Jessika ainda disse que, por ser a primeira vez que atua em um papel desse tipo, ela teve de descobrir aspectos próprios que nunca tinha conhecido antes: “Eu tive que entender de onde vem essa mágoa e você acaba encontrando a Shakia que tem dentro de você. Acho que todo mundo já passou por alguma mágoa. É muito de como cada pessoa ressignifica esse sentimento, que pode torná-la rancorosa e vingativa ou mais madura e mais forte”.



Contudo, a artista falou que o desafio foi a melhor parte do trabalho, tanto pessoal, como profissionalmente. Jessika entregou que, por isso, desenvolveu uma potência dentro de si. “Isso desenvolve também a nossa empatia. Porque eu não tenho nenhum ódio como ela tem assim. Consigo entender tudo o que ela faz, acho que não precisava ser assim, tão radical”, avaliou



Shakia, que faz parte da atual fase, Ur dos Caldeus, é uma personagem forte, que aprendeu a ler, escrever e se defender. Caso ela existisse nos dias de hoje, Jessika a veria como uma mulher privilegiada: “Talvez, por isso, ela tenha muita convicção do que quer. Ela tem uma força e não se abala perante a homem nenhum. Inclusive, as pessoas com quem ela se alia são homens e ela comanda todo mundo, ela dita as regras e os planos. Ela é muito inteligente e articulada. Eu acredito que ela seja uma mulher um pouco à frente de seu tempo”, disse.