“Malhação”: Malu Lázari se despede da conservadora Diana


© Divulgação/TV Globo


Malu Lázari tem 17 anos e atuou em seu primeiro papel fixo em “Malhação – Toda forma de amar”, que se despede das telinhas da Globo nesta sexta-feira (3), em razão da pandemia do novo coronavírus. Na novela, a atriz interpreta a conservadora Diana, que entrou na reta final da história para disputar as eleições do grêmio do colégio.





VOCÊ VIU? Cleo Pires detona Rodrigo Branco após comentários racistas

Felipe Prior está na mira da Record para “A Fazenda”

Globo confirma permanência de Fernanda Lima na emissora

Sabrina Sato desabafa sobre o fim do “Domingo Show”: “Triste”

A atual ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu a abstinência sexual como uma das políticas públicas de prevenção da gravidez na adolescência.

Malu fica feliz por ter tido a oportunidade de abordar o mesmo tema na televisão, já que a principal proposta da sua personagem era uma campanha de abstinência. “Apesar de não representar o meu ponto de vista político, é o de muita gente. Portanto, trata-se de um assunto muito bom para a gente retratar hoje em dia. Algumas pessoas não conseguem entender que nós estamos mostrando os dois lados da realidade. O que me deixa bem feliz em relação ao Emanuel Jacobina [autor de “Malhação”] é que ele está sempre ligado. Alguém tocava num assunto e, na semana seguinte, a gente recebia um roteiro superintegrado com o que acontecia. Entre o elenco, a gente brincava que Diana era filha dessa ministra. De certa forma, era a representação dela”, afirmou, em entrevista para o jornal “Extra”.

Para se preparar para interpretar a Diana em “Malhação”, Malu revela que passou a estudar mais sobre política.



“Eu já sabia bastante coisa, mas podia me inteirar ainda mais sobre o assunto. Quando vi que seria uma personagem extremista, tive que me aprofundar nessa área, para fazer Diana de um jeito bem conservador, muito diferente de mim”, contou ela.



Segundo a atriz, é muito difícil a família formar o pensamento sobre política. “Isso vem muito do ambiente de estudo. Não é sobre intervir no que a pessoa pensa, mas sim mostrar os fatos, o que acontece dos dois lados e deixá-la desenvolver o seu pensamento”, concluiu.