Autor da Globo se demite antes de estreia de série


  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © Twitter
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Twitter
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © Divulgação
  • © GNT
  • © AgNews
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © TV Globo
  • © Instagram
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Multishow
  • © TV Globo
  • © Twitter
  • © Twitter
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação
  • © TV Globo
  • © TV Globo


Roteirista de “A Cara do Pai”, que estreia no próximo dia 18, na TV Globo, Paulo Cursino decidiu deixar a emissora em outubro depois de divergências a respeito do processo atabalhoado” do humorístico.

VOCÊ VIU? Susana Vieira deixa “Vídeo Show” e exige voltar às novelas

O profissional foi substituído por Daniel Adjafre, que promoveu mudanças no roteiro dos quatro primeiros episódios.

“Era um seriado autoral, mas a gente aprende a desapegar depois de um tempo. É claro que fica aquela dor de corno de ver no ar algo que é seu”, desabafou ao “Noticias da TV”.

Inclusive, a história foi escrita sob medida para Leandro Hassum, mas inspirado na “situação de pai separado” de Cursino.

“É a minha experiência que está ali. A minha filha é um pouquinho mais nova do que a Mel Maia. Eu vejo minha filha todo final de semana e no meio de semana às vezes ela vem para cá, mas a impressão é que você perde alguns detalhes do crescimento dela. É essa brincadeira de você não saber mais lidar com a filha, do jeito que você lidava antes. É um seriado muito mais carinhoso, pai e filha”, contou.

O roteirista detalhou que o canal pediu que ele escreve 12 episódios em três meses e Paulo preferiu colocar o trabalho nas mãos de outra pessoa.

“É um projeto do qual eu me orgulho muito, mas que passou por um processo muito atabalhoado. Por exemplo, a gente começou com o Pedro Vasconcelos como diretor, um diretor com quem tenho muita afinidade, mas que saiu, foi para a novela da Glória Perez. Num dado momento, me vi sem um diretor em quem confiava e sozinho, sem autores disponíveis para trabalhar. Me sugeriram dois ou três autores lá de dentro, com quem não estava acostumado a trabalhar, então acabei saindo”, recordou.



Close sidebar