Documentário de Emicida já está disponível na Netflix


  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.

  • © Netflix

    Estreia nesta terça-feira (8) o aguardado documentário do rapper Emicida, “AmarElo – É Tudo Pra Ontem”, na Netflix. O longa, com 90 minutos de duração, joga luz sobre a história da cultura brasileira e evidencia acontecimentos, movimentos e personagens negros que foram responsáveis pela formação histórica e cultural do país, mas foram invisibilizados ao longo dos anos. O artista costura a narrativa com outro marco na linha do tempo: o show que ele fez no Theatro Municipal de São Paulo em 2019.

    VOCÊ VIU? Angélica lamenta a morte de Eduardo Galvão: “Parceria linda”

    Leão Lobo revela estupro coletivo aos 16 anos de idade

    Alok comenta vaquinha para ajudar em tratamento do tio

    Thiago Lacerda fará participação em “Salve-se Quem Puder”

    “Quando histórias grandiosas, como as que aparecem no documentário, são invisibilizadas, todos nós perdemos enquanto sociedade brasileira. Não à toa, começamos e encerramos o filme com o ditado iorubá sobre Exu, porque é tudo pra ontem e a gente vai no hoje corrigir os problemas que aconteceram antes de a gente chegar”, comentou Emicida.

    “Assim como ocupar o Municipal é uma vitória e a realização dos sonhos de muitos que vieram antes de mim, lançar esse conteúdo na Netflix, que nos leva para a sala da casa de milhões de pessoas, também é uma conquista. Assim, a gente começa a tirar o verniz de invisibilidade que amaldiçoa a história”, completou.

    “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” ainda traz cenas do processo criativo e da gravação do projeto de estúdio AmarElo, além de imagens dos bastidores do show e entrevistas com personalidades brasileiras. Os três elementos que serviram de ponto de partida para narrativa do documentário foram: AmarElo, o modernismo e o samba. Este último, inclusive, é colocado como o centro gravitacional da criatividade brasileira no filme.

    A realização de “AmarElo – É Tudo Pra Ontem” é da Laboratório Fantasma, com produção de Evandro Fióti e direção de Fred Ouro Preto. A Netflix e a Laboratório Fantasma ainda terão um segundo projeto do Emicida, que será lançado em 2021.