Ex-Globo diz que demorou para vazar vídeo de Waack por medo


  • © TV Globo
  • © TV Globo
  • © Divulgação
  • © Divulgação
  • © TV Globo
  • © Twitter


O operador de TV Diego Rocha Pereira, que foi um dos responsáveis pelo vazamento do vídeo que resultou no afastamento de William Waack do “Jornal da Globo”, na última quarta-feira (8), afirmou não acreditar ter tomado uma atitude equivocada. Apesar disso, o ex-funcionário da TV Globo admitiu que não divulgou o conteúdo antes por receio de represálias.

VOCÊ VIU? Globo suspende William Waack após acusação de racismo

Fátima e novo namorado já tiveram ‘lua de mel’ na Europa

Taxista revela dificuldades após acidente com Klebber Toledo

Clara ficará milionária e voltará vingativa em “Paraíso”

“Ia postar no Youtube, mas fiquei com medo de ser demitido e não publiquei. Depois perdi o vídeo e só o recuperei há alguns meses”, contou ao jornalista Maurício Stycer.

O profissional trabalhou na sede de São Paulo da emissora entre 2012 e 2017 e deixou a empresa em janeiro, em um corte de pessoal. A gravação foi feita em 8 de novembro de 2016.

Sobre a atitude do âncora, Pereira destacou considerar criminosa e disparou: “Não estou receoso. Quem cometeu o crime foi ele. Uma ofensa racial gratuita. Imagina se alguém te faz uma ofensa dessas no trabalho?”.

A autoria do vídeo foi revelada na tarde da última quinta-feira (9). Pereira foi ajudado na divulgação do material pelo designer gráfico Robson Cordeiro Ramos.

Já questionado acerca de ter possivelmente violado uma regra em seu trabalho, o técnico deixou claro que é inocente. “Se eu cometi um crime? Ele cometeu um crime antes de mim. Não teria feito isso se não tivesse me ofendido”, justificou.



Close sidebar