De volta, Fátima Bernardes comenta câncer: “Como um soco!”


© Instagram


A apresentadora Fátima Bernardes retornou ao comando do programa “Encontro”, da TV Globo, na manhã desta segunda-feira (4). Ela havia se afastado em dezembro, após descobrir um câncer de útero em estágio inicial. A doença foi descoberta durante exames de rotina e passou por uma cirurgia para a retirada do tumor no dia 6 de dezembro.





VOCÊ VIU? VIVA estreia “Era Uma Vez” em novo horário de novelas

“Vikings”: final da 6ª temporada chega no Brasil nesta quarta

Peaky Blinders e Stranger Things são as séries mais buscadas

Veja o antes e depois dos galãs de novelas mexicanas

“É com uma alegria que dou bom dia a vocês. Estou com uma sensação de reestreia”, afirmou ela, contando que tirou os pontos da cirurgia no dia 23 de dezembro e avisou aos médicos no domingo (3) que retornaria ao trabalho. “Volto com uma energia renovada”, ressaltou.

Segundo Fátima, ela estava com outro astral ao comandar o programa do dia 2 de dezembro. “Foi quando soube que teria que voltar à médica”, afirmou. A apresentadora contou como foi sua reação ao saber que estava com câncer. “É um soco e você não sabe onde vai cair. Depois de receber a notícia, o mais difícil é contar para quem você ama. É puxado contar de um jeito que não assuste”, disse.



A jornalista ressaltou que o apoio da família foi fundamental. “Tem horas que dá uma baqueada, mas no momento da baqueada tive todo o suporte em casa. Tive uma enfermagem de luxo. Minhas filhas estavam aqui. Meu filho estava longe, então para ele foi mais difícil. Túlio também estava comigo o tempo todo, assim como meus pais, que fazem parte da nossa convivência de câncer. Ninguém na nossa família tinha tido câncer. Eu e minha irmã tivemos. Como minha mãe reagiria?”, disse ela.



Fátima contou que nesse período ela também se preocupou bastante com a pandemia de Covid-19 e se emocionou ao falar da perda da funcionária Alice, que trabalhou em sua casa por 30 anos. “O medo da Covid ficou muito maior. Tive perda de uma pessoa muito querida que trabalhou comigo por 30 anos. Ela chegava em casa muito cedo, não usava transporte público, tinha todos os cuidados e foi contaminada. Ela fazia questão de preparar um café de coador. Esse café me fez falta hoje”, se emocionou.