Izabella Camargo diz ter sido vetada por apresentador da Globo


© TV Globo


Fora da TV oficialmente, após firmar um acordo milionário com a Globo para deixar o canal, Izabella Camargo revelou como foi sua saída da emissora. Sem papas na língua, a jornalista contou, inclusive, que foi vetada por um apresentador antes de deixar de vez a empresa.





VOCÊ VIU? “Não adianta processar”, diz candidata sobre Silvio Santos

Web acusa Silvio Santos de racismo após competição polêmica

Sonia Abrão negocia com emissoras e pode deixar a RedeTV!

Ivete Sangalo vai comandar o “Música Boa Ao Vivo” em 2020

“Uma pessoa disse que, no jornal dela, eu não voltaria a trabalhar. E isso foi logo quando fui reintegrada. É um absurdo, chocante”, relatou durante o “Pânico”, na rádio Jovem Pan.

O fato aconteceu depois de a moça ter procurado a Justiça para ser reintegrada ao trabalho, uma vez que havia sido mandada embora assim que voltou de licença médica – ela foi diagnosticada com a Síndrome de Bornout [distúrbio psíquico de caráter depressivo, também definido como esgotamento físico e mental com causa intimamente ligada à vida profissional] e afastada das funções para se tratar.

Sobre ter sido dispensada logo que retornou ao batente, a jornalista avaliou: “Foi a coisa mais violenta que aconteceu na minha vida. Foi pior do que um assalto a mão armada […]. Imagine que você tem moral e acabou de receber elogios. Você pensa que está batendo um bolão. Aí acontece uma situação e te falam que você não serve mais. Você se sente injustiçado ou não?”.



Já acerca da coragem que teve em buscar judicialmente seus direitos, Izabella comentou: “Coloquei um dedo na ferida, rompi um sistema. Quando eu trabalhava na TV, as pessoas me paravam para tirar uma foto. Hoje, param para me agradecer por ter rompido o sistema, colocado o dedo na ferida de uma situação que está todo mundo jogando para debaixo do tapete”.



Após ser reintegrada ao trabalho pela Justiça, a jornalista e a Globo chegaram a um acordo milionário para que Camargo deixasse o canal. Segundo o colunista Ricardo Feltrin, a profissional embolsou cerca de R$ 1 milhão por danos morais. Os direitos trabalhistas no ato da demissão já haviam sido pagos anteriormente.