Marcelo Tas entrevista Samuel Rosa no “#Provoca” desta terça


© Divulgação/TV Cultura


O “#Provoca” desta terça-feira (24) recebe o músico Samuel Rosa. Na edição, o vocalista fala sobre política, democracia, sua relação com o medo, o fim da banda Skank, relacionamento familiar, futebol, seu time do coração, Cruzeiro, e outros assuntos. Sob o comando de Marcelo Tas, o programa vai ao ar a partir das 22h15, na TV Cultura.





VOCÊ VIU? Morre Seu Francisco, pai de Zezé di Camargo e Luciano

Fernando e Sorocaba anunciam live “FS Race” em Kartódromo

Elenco de “Órfãos da Terra” comemora conquista do Emmy 2020

Fernanda Paes Leme lamenta a morte da avó: “Coração doendo”

Quando questionado sobre o fim do Skank, anunciado pela banda ainda em 2019, o músico afirma que precisa correr riscos, e quem corre riscos tem medo. Samuel Rosa diz que “o medo só é problemático quando paralisa”. E completa que é normal senti-lo. “Eu vou conversando com ele, vamos juntos, [o medo] não me paralisa”, completa.

Na edição, ao falar de política, ele diz que esperava que o povo brasileiro tivesse aprendido com as vivências do período de ditadura e não que um governo com o perfil do atual poderia emergir. Além disso, responde a Marcelo Tas, em tom de brincadeira, que se tivesse que escolher entre um Brasil sem corrupção ou o Cruzeiro Campeão Mundial, escolheria um Brasil sem corrupção. Ele ainda acrescenta dizendo que “mais do que um país sem corrupção, uma bela democracia”.

Samuel Rosa também diz que a sua carreira musical tem grande influência da mãe, que mesmo sem saber cantar, cantava Simonal o dia todo em casa. De um cenário recheado de músicas, festas e roda de violão, o músico conta que aprendeu a tocar com seu tio, irmão mais novo da mãe. E quanto ao futebol, ele afirma que sempre viu o time de futebol como diretoria: “bons dirigentes geralmente resultam em bons times”. E acrescenta dizendo que quando o cenário é ruim, “não há como tirar a culpa dos jogadores, né?”.