Nicole Bahls exalta programa “Pânico” e apoio de Sabrina Sato


© Divulgação/Rede Tv!


A apresentadora Nicole Bahls participou do “Papo de Rainha” desta quinta-feira (23) com a rainha de bateria da Beija-Flor, Raissa. A musa revelou a importância do programa “Pânico” na sua carreira e exaltou uma companheira especial.





VOCÊ VIU? Jorge Fernando terá museu na Ilha de Paquetá, no RJ

Pai de 3 meninos, Mumuzinho revela vontade de ter uma filha

Ex-BBB Flay e Jerry Smith gravam música juntos

Dani Souza lamenta o fim da amizade com Mirella Santos

“Eu sou muito grata ao Pânico, foi um dos primeiros a me dar oportunidade. Se graças a Deus eu trabalho até hoje foi graças a Ele (programa pânico), as portas se abriram depois do Pânico. Devo muito ao Pânico”, afirmou Nicole.

Nicole atuou como Panicat, como repórter e foi apresentadora, dividindo o sofá com Sabrina Sato, a quem Bahls é só elogios. “Quando o Pânico migrou para Band, eu fui umas das panicats que ficaram para trás, acho que só foi a Babi para Band. A gente tinha um contratinho com a Rede TV, ficamos amarradas e não podíamos acompanhar o Pânico na Band. Todo mundo que não foi ficou bem tristinho mas entendia que era por causa de contrato. Mas nisto surgiu a oportunidade de eu ir para A Fazenda e quando eu sai o Pânico me deu a oportunidade de voltar, porque já tinham desenrolado o contrato com a Rede TV, com a ajuda da Sabrina. A Sabrina é uma fada madrinha na minha vida. Ela era a única pessoa que sentava no sofá, foi uma oportunidade dada graças a ela. A Sabrina sempre foi muito segura de si, nunca se incomodou com ninguém, pelo contrário, ela recebe com muito carinho, com muito amor e faz questão de dividir. É muito generosa”, ressaltou a apresentadora.

Nicole também contou a Raissa que um dos lados doces da fama são os “recebidos”, presentes que ela recebe das marcas sem custo algum e a troca de carinho com os fãs. “Tem tantas coisas boas, você ganha muitos presentes, muitas roupas. Quando eu era mais novinha só tinha dois biquínis para usar, hoje eu tenho vários biquínis, um monte de sandálias, um monte de roupas. E posso abençoar também a vida de pessoas que eu amo, que trabalham comigo, das minhas irmãs, da minha família. A melhor parte de ser artista é você ganhar presente, é você poder ajudar o outro, as vezes sem um real no bolso. Quando você abraça aquela pessoa que tem um carinho por você e ela sai mais feliz. Caramba! Como é bom ser artista! É uma dádiva de Deus você poder dar amor(…)”, explicou a modelo.