Juliana Caldas nega ser rejeitada por elenco de “Paraíso”


  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo
  • © Divulgação/TV Globo


Após algumas cenas de Estela (Juliana Caldas) terem sido cortadas de “O Outro Lado do Paraíso” – trama das 21h da TV Globo –, especulações apareceram de que a personagem com nanismo não estaria com uma boa aprovação. Apesar dos rumores, a atriz desmentiu ter sido rejeitada.

VOCÊ VIU? Veja os detalhes do casamento de Tralli e Ticiane Pinheiro

Nasce o nono neto de Silvio Santos em São Paulo

Anitta sobre casamento com Thiago Magalhães: “Estou feliz”

Após mais de 30 anos, Malu Mader pode perder vaga na Globo

“Eu li sobre os boatos e até o Walcyr [Carrasco] desmentiu sobre uma possível saída da Estela da novela. Fiquei assustada e receosa do que poderia acontecer, mas não deixei me influenciar, não. Gravo todos os dias e não sinto rejeição. Sinto um choque de realidade”, declarou ao “Uol”.

A artista contou que nunca passou pela situação de Estela com a mãe, mas sabe que é real: “Não está tão longe da realidade. Eu já escutei na vida! Outros pequenos também escutam e ainda sofrem também com as risadas”.

E continuou: “Dói? Dói porque não é só ficção e eu acho que tem que ser assim mesmo, tem que ser pesado mesmo para as pessoas sentirem o quanto é ruim o preconceito”.

Quanto à cena da expulsão da casa de Sophia (Marieta Severo), Juliana relatou que foi difícil e chegou a se emocionar. “Fiquei bem mexida quando recebi os capítulos e chorei durante a gravação. No final da cena, eu e a Marieta nos abraçamos, demos risadas e logo depois partimos para outras sequências”, admitiu.

Segundo a famosa, mudanças grandes na vida da anã estão por vir: “Ela vai sair da gaiolinha e conhecer outras pessoas. Entre elas, o Juvenal, personagem de Anderson Di Rizzi. Eles vão ser amigos! Romance? Não estou sabendo”.

Com seu primeiro papel na televisão, Caldas se mostrou grata por interpretar um papel com tamanho destaque: “Estela é uma oportunidade e é também uma visibilidade que se abre para nós pequenos em todos os setores, todas as áreas e, claro, na dramaturgia”.



Close sidebar